Alison e Bruno levam o ouro pela quarta vez

SUPERPRAIA: Niterói recebe as melhores duplas da temporada 2016/2017 na foto as duplas Alison e Bruno (1 lugar de azul) e Alvaro e Saymon (2 lugar de amarelo). FOTO: Fábio Gonçalves
SUPERPRAIA: Niterói recebe as melhores duplas da temporada 2016/2017 na foto as duplas Alison e Bruno (1 lugar de azul) e Alvaro e Saymon (2 lugar de amarelo). FOTO: Fábio Gonçalves

A praia de Icaraí em Niterói (RJ) foi palco neste final de semana de mais uma etapa da Superliga 2017. A dupla masculina Alison e Bruno Schmidt (ES/DF) conquistou pela quarta vez o título do torneio, que reúne as melhores duplas do país.
A decisão  colocou frente a frente os campeões olímpicos da Rio 2016 e os campeões do Circuito Brasileiro 2016/2017. Alison e Bruno Schmidt 9ES/DF) venceram Alvaro Filho e Saymon (PB/MS)  por 2 sets a 0( 21/19  e  22/20) em 47 minutos de partida. Na decisão do bronze quem venceu foi  a dupla Evandro/André (RJ/ES) ao vencer Tiago/George (SC/PB) por dois sets a 1 (17/21, 21/16 e 15/10)

Eleito o melhor defensor da temporada, Bruno Schmidt fez questão de enaltecer o parceiro e a equipe técnica que dá suporte à dupla. “Tudo isso é consequência de nosso trabalho. A nossa dupla não pensa muito nas marcas e nos títulos, acho que isso acaba sendo o segredo para chegarmos aos nossos objetivos. Nossa parceria vai sempre junta no caminho que traçamos, cobrando e instigando um ao outro. Os resultados são consequências. Mesmo se não tivéssemos chegado ao título, só o nosso desempenho no torneio já teria valido a pena, fomos guerreiros do começo ao fim”, frisou Bruno.

 Alison também comemorou bastante  e ainda brincou: disse que chegou a ouvir a voz do narrador Galvão Bueno repetindo o célebre grito da Copa do Mundo de Futebol de 1994 (“É tetra! É tetra!”), em um momento de lembrança da infância. O bloqueador também confessou a emoção de ter passado de jovem promessa a referência da posição após as conquistas da carreira. “Eu cheguei a lembrar por alguns segundos do Galvão (Bueno) narrando a final da Copa de 94. É muito gratificante jogar um torneio assim, e ver o alto nível do voleibol apresentado por todos os participantes. Jogar voleibol é a melhor coisa que eu faço”, disse Alison.
 
Um dos grandes responsável pelas principais conquistas da dupla ao longo dos últimos quatro anos, o treinador capixaba Leandro Andreão, mais conhecido como Leandro “Brachola”, falou do título em Niterói e elogiou o trabalho feito por toda a comissão. “Este campeonato é muito competitivo, se você olhar cada Superpraia, vai ver que todos foram muito difíceis, que tivemos jogos que poderiam ter nos eliminado antes da semifinal. Eles estão de parabéns por terem conseguido manter a concentração durante esses quatro anos e conquistar mais um título. Começaram comigo no vôlei de praia lá atrás e nos reencontramos nesses últimos quatro anos. A nossa comissão técnica é composta por vários profissionais excelentes que ajudam eles a estarem em condições de competir em alto nível nas principais competições”, disse Brachola.
 
No feminino, a medalhista olímpica Ágatha e sua parceira Duda venceram a final da Superpraia, ao derrotar a dupla Maria Elisa e Carol Horta (PE/CE) por 2 sets 0 (21/17) e (21/14) em 39 minutos de partida. Juntas há pouco mais de quatro meses, conquistaram o segundo título da parceria. No caso de Ágatha foi o terceiro título consecutivo.”Eu não fiquei pensando nisso, de que poderia ser tricampeã. O meu foco era ser campeã com a Duda. Eu parabenizei a Maria Elisa e a Carol pelo resultado delas, pois vieram do outro lado do mundo direto para o torneio e isso não é fácil. Elas venderam caro a derrota, foi um jogo bonito. Estamos muito unidas com nossa comissão técnica, todos se dedicam ao máximo desde o primeiro dia em que começamos o trabalho. Somos uma equipe formada por pessoas de diversas partes do Brasil, com culturas diferentes, passamos por vários altos e baixos, com ideias diferentes, mas com um objetivo comum, que é a vitória. E é essa mistura e mais a doação que todos fazem para o bem do time que conseguimos os bons resultados”, comentou Ágatha.

 Duda não escondeu a emoção ao final do jogo e também exaltou a união entre ela, a parceira Ágatha e a comissão técnica.”Estou muito feliz. Nos preparamos demais para o Superpraia. Esse torneio é especial. Treinamos muito e esse resultado mostra que estamos no caminho certo. A Ágatha é tricampeã desse torneio e posso dizer que ela é a melhor parceira possível. Tenho que agradecer a toda a comissão técnica e a todos que nos apoiaram nessa caminhada. Nossa sintonia como dupla está crescendo a cada torneio. A experiência que ela está me passando é incrível e ela está me formando uma pessoa mais madura”, revelou a sergipana.

 Maria Elisa comemorou a prata ao lado de Carol Horta. As duas chegaram pela primeira vez em uma final juntas.”Estou muito feliz com esse resultado. Para nós chegarmos em segundo, significa que outras duplas muito boas ficaram para trás. Eu valorizo muito este pódio com a Carol, espero que seja o primeiro de muitos. É a primeira final dela e estou orgulhosa do que realizamos. Quero dedicar isso ao meu noivo Paulo e minha família, que sabem o quanto eu sofri para voltar ao pódio. Agradeço aos meus fisioterapeutas Odir e Marquinho que fizeram um grande trabalho para eu estar aqui com 100% de condições”, contou Maria.
 
O bronze do Superpraia ficou com as tricampeãs do Circuito Brasileiro, Larissa e Talita (PA/AL), que venceram Ana Patrícia/Rebeca (MG/CE) por 2 sets a 0 (21/12 e 21/18). Nas semifinais, realizadas realizadas no sábado, Ágatha/Duda (PR/SE) venceu Ana Patrícia/Rebecca (MG/CE) por 2 sets a 1 (16/21, 21/16 e 15/8). Maria Elisa e Carol Horta (PE/CE) passaram por Larissa e Talita também em três sets (21/19, 18/21 e 15/13).
 
Criado na temporada 2013/2014, o Superpraia possui premiação dobrada em relação às demais etapas do Circuito Brasileiro. Os campeões nos dois naipes recebem R$ 79,9 mil e a competição conta com uma festa para eleger os destaques da temporada. Serão oito categorias técnicas, decididas pelos atletas e treinadores (levantamento, recepção, bloqueio, saque, defesa, ataque, atleta que mais evoluiu e melhor jogador) e uma votação popular, que elegerá o ‘craque da galera’.
 
A temporada do Circuito Brasileiro Open 2016/2017 começou em setembro do ano passado e terminou em Vitória (ES), no início de abril. O tour também passou por Campo Grande (MS), Brasília (DF), Uberlândia (MG), Curitiba (PR), São José (SC), João Pessoa (PB), Maceió (AL) e Aracaju (SE).

 premiações do Circuito  vólei de praia feminino e masculino
Arrow
Arrow
Superpraia 2017 - premiações do Circuito vólei de praia feminino e masculino . Foto Fábio Gonçalves
ArrowArrow
Slider