Sentinelas da Tupi

Manifestação em defesa dos direitos dos trabalhadores da Rádio TUPI em frente ao Ministério Público do Trabalho no centro do Rio de janeiro (RJ). Na foto Geraldo Sena,radialista esportivo da da Rádio Tupi. Foto: Fábio Gonçaves

Por Solidário, de Edison Corrêa (Reportagem e Texto), Gabriel Gontijo (Áudios) e Fábio Gonçalves (Fotos e Vídeos)

Publicado em 16 de Janeiro de 2017

Um ato com participação de comunicadores, funcionários, ex-funcionários, fãs e ouvintes da Rádio Tupi, em frente ao Ministério Público do Trabalho, no Centro do Rio, marcou a greve por tempo indeterminado dos radialistas da emissora. Cerca de 100 pessoas participaram da manifestação (#VOLTATUPI), entre eles os radialistas da Tupi Haroldo de Andrade Jr., Maurício Menezes, Fernando Sérgio, Garcia Duarte, Geraldo Sena e Cristiano Santos, além do presidente do Sindicato dos Radialistas/RJ, Leonel Quirino, e o presidente do Sindicato dos Jornalistas do Município do Rio de Janeiro, Márcio Leal. A equipe do Portal Solidário, citada na apresentação do radialista Garcia Duarte, também esteve presente manifestando seu apoio irrestrito à causa.

“Sem dinheiro nem previsão de ter”

Desde o final do ano passado (30/12/2016), a outrora rádio carioca líder de audiência em AM calou-se. Atolada em dívidas e sem honrar seis meses de salários aos funcionários, além o 13º salário do ano passado, a “Super” Rádio Tupi vive momentos tenebrosos. Maurício Dinepi, ex-presidente da emissora, chegou a afirmar ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro: “a rádio não tem dinheiro e não tem previsão de ter”. Muitas demissões já ocorreram e reina um clima de insegurança entre os funcionários que ainda mantém a programação musical na emissora.

Funcionários temem pedido de falência

Ainda no ar, os comunicadores e repórteres fizeram o possível para manter a qualidade da programação e se esforçaram para não transparecer para o público quão grave era a situação dos Diários Associados. Entre os funcionários ainda há o temor de pedido de falência, o que acarretaria em grande dificuldade para receber as devidas indenizações, como aconteceu na extinta TV Manchete. Mas, devido aos sucessivos atrasos mensais no pagamento, foi definida a paralisação por tempo indeterminado.

 

Apolinho: “ficou difícil fechar a conta”

O veterano líder de audiência esportiva Washington Rodrigues, o Apolinho, disse que a Rádio Tupi atravessa a mesma crise que atormenta a vida do povo brasileiro. “O país está passando por incrível turbulência, praticamente parado. As grandes empresas estão demitindo em massa. Mesmo assim, a Tupi lutava para não sucumbir. Infelizmente, o quadro se agravou nos últimos meses. As verbas oficiais sempre existiram e são comuns em quase todos os veículos de comunicação. As verbas de publicidade foram reduzidas e o mercado está recessivo. Como as despesas, tal qual acontece em nossas casas, não param de crescer, ficou difícil fechar a conta”, afirmou o radialista.

Greves já mostravam a insatisfação funcional

Os funcionários da “Rádio Tupi” do Rio de Janeiro fizeram três greves – de 24h, 48h e 72h, respectivamente – antes de cruzar os braços no final do ano passado, decisão tomada por amplo colegiado em Assembleia Geral Extraordinária no Sindicato dos Radialistas. Eles exigiam da direção um cronograma de pagamento de salários atrasados. Apesar dos númerios ainda favoráveis – segundo a pesquisa do IBOPE de outubro de 2016, a emissora perdia apenas para a Melodia e a FM O Dia – os atrasos de pagamento alcançaram tanto os contratos de pessoas físicas quanto jurídicas. Radialistas da emissora reclamavam que uma das concorrentes, a RádioGlobo, também estaria demitindo, porém indenizando o funcionário, o que não ocorreu na Tupi.

Sindicato objetiva agilizar a venda

“O indicativo é que a paralisação termine com o pagamento integral dos salários atrasados ou que sejam apresentados os documentos de compra e venda da rádiocom comprometimento dos compradores (por escrito e assinado) em colocar em dia os pagamentos dos funcionários. O objetivo da categoria é que desta vez a pressão de uma greve permanente mobilize os sócios da empresa para agilizar a venda, principal alternativa apresentada ao movimento de grevistas para pagamento dos salários”, salientou o presidente do Sindicato dos Radialistas/RJ, Leonel Quirino.

Dinepi descumpriu decisões jurídicas

A empresa vinha protelando o compromisso com seus funcionários há quase dois anos, além de ignorar as tentativas de diálogo por parte do sindicato. A direção da Tupi, então sob presidência de Maurício Dinepi, também descumpriu decisões jurídicas favoráveis aos funcionários. Hoje, são mais de 40 ações movidas na justiça contra a emissora, seis delas “ações coletivas”, em nome de todos os trabalhadores da emissora, movidas pelo corpo jurídico do Sindicato dos Radialistas/RJ, que já deveriam ter sido cumpridas pela rádio.

Sócios minoritários propõem acordo

Dinepi alegou durante as negociações que a empresa não tinha recursos suficientes para colocar suas dívidas em dia. Porém, as últimas mobilizações fizeram com que dois sócios minoritários, que possuem capital para arcar com essas despesas, assumissem o compromisso de pagar os radialistas caso os sócios majoritários aceitem vender para eles suas ações – entregando a direção da empresa. A maioria das ações da Tupi ainda pertencem ao condomínio de sócios do qual faz parte Dinepi, que renunciou ao seu cargo, mas não deu entrada no processo de venda.

Versões da venda 

Há duas versões sobre a suposta venda da emissora. A primeira dá conta de que a história não passa de um devaneio, de que não há sequer um só interessado em assumir as dívidas da empresa. Um fator de dificuldade para negociar a rádioseria o grande número de demissões que seriam necessárias para reequilibrar a folha. A segunda versão é que Paulo Masci de Abreu já teria comprado a emissora dos Diários Associados, exigindo inclusive processo de auditoria.

Áudios do Ato em Defesa da Rádio Tupi 

https://soundcloud.com/ggontijo88-1/depoimento-de-garcia-duarte – Depoimento do comunicador Garcia Duarte, apresentador do programa “Patrulha da Cidade” falando sobre a situação da Super Rádio Tupi.

https://soundcloud.com/ggontijo88-1/depoimento-de-fernando-sergio-parte-1 – Primeira parte do depoimento do comunicador Fernando Sérgio, apresentador do programa “Super Madrugada Tupi”, sobre o que tem acontecido na emissora. Aqui o radialista critica a atual administração dos Diários Associados e também alguns colegas de emissora que não se mostraram solidários com a causa.

https://soundcloud.com/ggontijo88-1/depoimento-de-fernando-sergio-parte-3 – Segunda parte do depoimento do comunicador Fernando Sérgio, apresentador do programa “Super Madrugada Tupi”, sobre o que tem acontecido na emissora. No segundo áudio ele elogia o Sr. Alfredo Raymundo Filho, ex-diretor da Super Rádio Tupi, que foi dispensado dos Diários Associados no ano passado e que era quem sempre se mostrava solidário com os funcionários.

https://soundcloud.com/ggontijo88-1/170112_003a – Terceira parte do depoimento do comunicador Fernando Sérgio, apresentador do programa “Super Madrugada Tupi”, sobre o que tem acontecido na emissora. No terceiro áudio ele agradece aos colegas de outras emissoras que tem dado destaque à cobertura, mas também critica outros que nada falam a respeito.

https://soundcloud.com/ggontijo88-1/fala-de-cristiano-santos – Depoimento do comunicador Cristiano Santos, apresentador do programa “Domingo Show”.

Manifestação TUPI
Arrow
Arrow
Manifestação dos trabalhadores da TUPI - Foto: Fábio Gonçalves
Slider