Bimbalham os sinos

Mal chegou dezembro e já estamos vendo prenúncios do Natal e consequentemente 2018. Parece que olhamos 2017 a partir de 2018. Todos os desejos de bons frutos e melhoras, estamos deixando para o ano vindouro, ou seja, faz tempo que queremos o fim de 2017. E mesmo assim, a passagem do Natal para alguns, ao abrir a cesta de Natal, verão, com muita sorte:

Duas nozes, uma lata de extrato de tomate, três passas e uma cidra na promoção.

Que aflição é essa que parece um ano que nunca vai acabar? Será que a mídia nos mostrou muitas aflições pelo mundo? Muitos atiradores ceifando vidas pelo mundo e inclusive no Brasil. O ano mal começou, e um homem armado até os dentes atirou numa multidão que comemorava o ano novo em Istambul, matando 39 e deixando 70 pessoas feridas. Um cenário que se coloca em ascensão no Brasil, visto que os assassinatos cresceram no país e parte deles, contra policiais na ativa. Hoje são mais de 61 mil até agora. E ainda se fala em porte de armas. E falando em armas, até a fabricante que tem o monopólio de vendas, tem problemas graves de fabricação, aumentando a estatística de violência. E lembramos os EUA, que ao longo do ano, registrou assassinatos em massa e quando ainda estavam em luto por um incidente, recentemente, Las Vegas, foi palco da maior matança a tiros da história do país. Reflexo do mundo e seus governantes?

Que desespero que o sistema econômico provoca olhando os políticos disponíveis no mercado ao redor do mundo. Com o desgaste ainda maior da imagem, grupos resolvem para a sobrevivência pessoal, lançar novos candidatos frutos do marketing midiático que invadem as esferas governamentais, apenas para vencer as eleições. O resultado mais claro nos dias de hoje é o presidente americano, mas é um recurso antigo. Podemos lembrar de Reagan por exemplo. Por aqui, temos um prefeito midiático que apenas faz política midiática, sem planos concretos de governo, apagando grafitis e vendendo e negociando o que pode, enquanto em outro estado, é caracterizado pela ausência e privilégio a sua igreja. Em breve, estaremos vendo candidatos dessa estirpe aos montes. Reflexo do desgaste do sistema econômico?

Que saudades daqueles que se foram, empobrecendo o mundo e deixando um legado de dúvidas em relação ao cenário atual. Entre outros, Vida Alves, a atriz que entrou para a história com um beijo, o primeiro, na televisão brasileira, o escritor argentino Ricardo Piglia, o autor de Dinheiro Queimado e Respiração Artificial. Já era muitas mortes para tão poucos dias, quando chegou a notícia do desaparecimento de Zygmunt Bauman. Assim como uma atrofia levou o filósofo, historiador e crítico literário búlgaro Tzvetan Todorov e o genial All Jarreau. Ficamos órfãos com a partida de Chuck Berry e O “rei da comédia” Jerry Lewis que faleceu aos 91 anos. Um dos intérpretes do 007, Roger Moore, morreu na Suíça, e em nossas terras, Luiz Melodia, Rogéria, Paulo Silvino, Belchior e Jerry Adriani. Foram muitas perdas. Até minha tia Yolanda, do qual desconfiava ser uma Highlander, também foi para a luz. Vendo o número de estrelas que subiram aos céus, nosso futuro fica mais cinza?

O que dizer quando o assunto é política? Onde fica claro para toda a população que a destituição da presidenta foi uma negociação em que envolveu todos os poderes, com a anuência e financiamento americano e tenho grupos na internet, financiados por partidos para inflamar a nação descontente e agora está vendo o país perder seus direitos, suas economias sendo vendida aos grupos empresariais americanos, sua população voltando a pobreza absoluta e vendo o ódio sair de sua caixinha para ganhar as ruas e colocar as tensões sociais em outro nível. A destruição de uma nação bem a olhos vistos e a inanidade do cidadão para cada movimento do governo sem limites. O desgaste foi tão grande perto das eleições, que querem nesse momento desembarcar para não ser atingido pela imagem presidencial mais baixa da história do país e deixar a reforma da previdência (desnecessária, diga-se de passagem) de lado. Isso pode acelerar um processo eventual de destituição nesse momento, para que alguém com mais força faça isso antes do voto popular.

De qualquer forma, mesmo com pouco a que se comemorar, deixo uma mensagem de fé e esperança por dias melhores. Que possamos transformar cada lágrima em choro de alegria. Que mesmo com pouco, possamos alimentar nossa alma de um sentimento de amor pelo próximo e quem sabe. Ao menos, quem sabe, um dia, possamos deixar de lado nossos egos e dificuldades de lado e ver o outro como irmão.

Deixe uma resposta