Biografia de Sérgio Sampaio é relançada

capa do livro - sérgio sampaio
capa do livro - sérgio sampaio

A biografia do controverso e polêmico cantor e compositor Sérgio Sampaio, autor de vários sucessos como os versos da música “Eu quero é botar meu bloco na rua”, é relançada. A terceira edição da obra traz novos depoimentos de amigos de diversas fases da vida do artista, desde companheiros de sua adolescência cachoeirense, passando por parceiros musicais dos anos 80, até três pessoas muito próximas ao Sérgio na Bahia, propiciando uma descrição mais pormenorizada de seus últimos meses na cidade, pouco tempo antes de seu falecimento, que se deu no Rio, em maio de 1994. O autor da biografia, Rodrigo Moreira, explica que foram inseridas novas informações sobre alguns momentos chave da carreira de Sérgio, como suas atuações nos dois últimos Festival Internacional da Canção (FIC), sua saída da gravadora Phillips e sua ida para a Continental em 1975. “Quem leu as duas edições anteriores perceberá, ao longo do livro, diversos outros fatos novos e histórias saborosas”, explica.

Sérgio Moraes Sampaio nasceu na cidade capixaba de Cachoeiro de Itapemirim, em 13 de abril de 1947 e faleceu no Rio de Janeiro em 15 de maio de 1994.  Ele foi um cantor e compositor brasileiro e suas composições transitam por vários estilos musicais, indo do samba e choro, ao rock'n roll, blues e balada. Grandes nomes da Música Popular Brasileira cantaram suas composições como Zizi Posse, Lenine, João Nogueira, Eduardo Dusek, João Bosco, Chico César, Erasmo Carlos só para citar alguns.

Em suas composições se vê elementos de Kafka e Augusto dos Anjos, que lia e apreciava. O crítico Jorge Luiz do Nascimento declarou num estudo: “A paisagem urbana em geral, e a carioca em particular, na poética de Sérgio Sampaio, possui a fúria modernista. Porém, o espelho futurista já é um retrovisor, e o que o presente reflete é a impossibilidade de assimilação de todos os índices e ícones da paisagem urbana contemporânea.”

O canto r e compositor Lenine disse que “Sérgio foi um desses enturmados sem turma, como Tim e Raul Seixas”. Para Zeca Baleiro, Sérgio Sampaio é um compositor brasileiro de trajetória única, cuja história, assim como a obra, é bem pouco conhecida.

“Este livro tem o grande mérito de lançar luz sobre a vida e a arte deste grande artista, ao mesmo tempo em que pinta o quadro de uma época importante da música popular brasileira”, garante Baleiro.

 



Leia um trecho da obra:

“Naquele início dos anos 70, Sérgio Sampaio era mais um novo cantor-compositor tentando se firmar no cenário musical brasileiro. Tinha desembarcado no Rio de Janeiro em dezembro de 1967, então como um anônimo locutor de rádio do sul do Espírito Santo. Na pequena, mas orgulhosa terra natal, Cachoeiro de Itapemirim, vivia uma pujante alma lírica, uma tradição de boêmios, seresteiros e poetas.”
Artigo anteriorSolidário Serviços
Próximo artigoModa Animal
Carla Giffoni: Jornalista, escritora e roteirista. Atuando há 20 anos como jornalista nas Editorias dePolítica, Polícia, Economia, Cultura e Cidades, em revistas, jornais, sites e emissora de TV, entre eles: Tribuna da Imprensa, Revista Menorah, repórter do Portal de Notícias SolidáRio, TV Bandeirantes (BM), jornal A voz da Cidade, Rádio do Comércio. Colaboradora do roteirista José Carvalho no filme “Vidas partidas”; colaboradora do roteirista Doc Comparato para o projeto “Peritos da Verdade”. Pós-graduada em Jornalismo Cultural e em Roteiro para Cinema e TV (UVA); graduada em Comunicação Social – habilitação em Jornalismo – e também em Letras/Formação de Escritor (PUC-RJ).
COMPARTILHAR