Chileno é assassinado em Caracas ao participar de ato em favor de Maduro

Mário Augusto Jakobskind - Arte Rafael Sarrasqueiro
Os acontecimentos na Venezuela a cada dia se intensificam em materia de violência e os meios de comunicação conservadores não se cansam de acusar o governo de Nicolas Maduro como o único responsável pelos acontecimentos. É público e notório que a oposição quer de todas as formas derrubar o Presidente constitucional Nicolas Maduro e faz de tudo para alcançar o objetivo traçado.
Nestes días veio a noticia da capital da Venezuela, ignorada pela mídia comercial conservadora,  sobre o assassinato do chileno  José Muñoz Alcoholado, conhecido  como Chico Alejo, fundador do Exército Guerrilheiro dos Pobres que combateu com todas a suas forças a ditadura de Augusto Pinochet. Chico Alejo também participou de diversos movimentos revolucionarios pelo continente latino-americano.
O revolucionário de nacionalidade chilena foi assassinado por varios disparos de armas  quando se encontrava em um restaurante de Caracas  em uma atividade de apoio a Nicolas Maduro. Segundo testemunhas, dois assassinos foram os autores dos tiros. Eles entraram no restaurante, sentaram em uma mesa próxima onde se encontrava Chico Alejo e depois de algum tempo atiraram para matá-lo. Em seguida fugiram em uma motocicleta. Até o momento se desconhece a identidade dos autores do crime.
Esse fato demonstra que a violência no país conflagrado vem sendo feito por grupos de direita que têm apoio interno e externo. No exterior os jornaloes e telejornalões cumprem o seu papel de incriminar apenas o governo constitucional.
No caso da mídia comercial brasileira, os mascarados que aparecem nas manifestaçoes convocadas pelos oposcionistas venezuelanos são considerados   “manifestantes”, enquanto mascarados internos, ou seja, que aparecem em manifestações de protesto em cidades brasileiras são denominados de “vándalos”.
Diariamente ocorrem manifestações convocadas pela oposição venezuelana que se recusa a dialogar para evitar a continuidade do derramento de sangue. Há denuncias inclusive de que elementos pagos, infiltrados nos movimentos de protestos da oposição, seriam os verdadeiros responsáveis pela violência.
Mas tal hipótese é totalmente descartada pelo noticiario divulgado diariamente em varios países da América Latina. O massacre midiático é de tal monta que quando surgem as denuncias sobre elementos pagos para acionar a violencia, o próprio noticiario se encarrega de apresentar como versão fantástica isso, claro, quando a denuncia é divulgada por alguém que não integra as hostes oposicionistas.
Por isso, não se pode considerar como verdade absoluta o noticiario que vem sendo  divulgado diariamente pela mídia comercial conservadora sobre o que se passa na Venezuela.