Ciclone provoca chuvas intensas no Reveillón

O  final de semana do Natal começou com temperaturas altas e temporais entre os estados do Centro-Oeste e Sudeste, associados a formação da zona de convergência, que para o Réveillon formará a ZCAS (Zona de Convergência do Atlântico Sul) e um ciclone  de características subtropicais. No dia 24/12,  as grandes linhas de instabilidades em MG e RJ deram origem a SCM (Sistema Convectivo Mesoescala) ou CCM (Complexo Convectivo Mesoescala) provocando uma área de baixa pressão, trazendo tempestades severas entre as regiões do sul do Estado e a capital.  Nos bairros da zona Norte e da zona Oeste do Rio de Janeiro, uma Downburts provocou um tornado nas mediações de vários bairros até Madureira, onde atingiu o seu ápice. (Veja a  matéria completa em Janeiro de 2018).

Hoje, 30/12, (cavado) com 1006 hPa de superfície, de características subtropicais, durante a madrugada do dia 31/12 poderá ser nomeado pelo Centro Hidrográfico da Marinha do Brasil (CHM), uma vez que é uma área de baixa pressão. Ressalta-se que, apenas a Marinha do Brasil,  responsável pela Bacia, poderá nomeá-lo ou não.

Os nomes dados aos ciclones são retirados de uma lista sazonal, que varia conforme a bacia, e são  escolhidos com anos de antecedência. Os últimos fenômenos registrados foram Furacão Catarina (2004), Anita (2010), Arani (2011), Tempestades Subtropicais Bapo e Cari em Janeiro e Fevereiro de 2015, Tempestades Subtropicais Deni e Eçaí em Novembro e Dezembro de 2016, Tempestade Subtropical Guará em Dezembro de 2017.

As projeções indicam chuvas intensas sobre parte do Centro-Oeste e Sudeste com a ZCAS (Zona de Convergência do Atlântico Sul). Gradualmente, os volumes aumentarão com o passar dos dias e  riscos de enchentes, inundações e deslizamentos de terra talvez se confirmem entre cidades do MS, MT, GO, MG, SP, ES e RJ  (menor chance para a capital e maior chance para as regiões Noroeste, Norte e Serrana Fluminense). Poderá chover forte também na divisa dos estados do RJ e ES.

NOAA-GFS

TSM-INPE

GFS-CHUVAS INTENSAS

INMET

P.S. : O INMET (Instituto Nacional de Meteorologia) espera chuvas intensas em áreas de risco (regiões serrana, norte e dos lagos) para as próximas 30 horas, até 31/12, que poderão causar enchentes e deslizamentos de terra, associadas à formação da ZCAS sobre grande parte do Centro-Oeste e Sudeste. Baixas pressões de características subtropicais conseguem puxar a umidade da Amazônia para cima das cidades e podem causar transtornos devido aos grandes volumes.

INMET-CHUVAS INTENSAS

REGIÃO SUL DO BRASIL:

Área afetada para 548 município de SC e PR, ZCAS:
Aviso para as áreas: Planalto Norte Catarinense, Metropolitana De Curitiba, Oeste Catarinense, Vale Do Itajai, Central Paranaense, Litoral Paranaense, Norte Paranaense, Oeste Paranaense, Sudoeste Paranaense, Sul Paranaense, Meio-Oeste Catarinense, Litoral Norte Catarinense;

REGIÃO SUDESTE:

Área afetada para 116 municípios do RJ e ES, ZCAS:
Costa Verde, Noroeste Fluminense, Baixadas Litorâneas, Metropolitana Do Rio De Janeiro, Norte Fluminense, Médio Paraíba, Centro Sul Fluminense, Serrana Fluminense, Serrana Capixaba, Litoral Sul Capixaba, Central Sul/Caparaó Capixaba;

Área afetada para 582 municípios de SP:
Campinas, Bauru/Araraquara/Piracicaba, Itapetininga, Ribeirão Preto, Araçatuba/São José Do Rio Preto, Sorocaba/Bragança Paulista, Vale Do Paraíba/Litoral Norte, Metropolitana De São Paulo, Litoral Sul/Baixada Santista/Vale Do Ribeira, Presidente Prudente/Marília/Assis, Serra Da Mantiqueira;

Área afetada para 162 municípios de MS e SP, ZCAS:
Leste Sul-Mato-Grossense, Araçatuba/São José Do Rio Preto, Presidente Prudente/Marília/Assis, Sul E Sudoeste Sul-Mato-Grossense, Pantanal Sul-Mato-Grossense, Centro Norte Sul-Mato-Grossense;

Área afetada para 504 municípios de MG, ZCAS:
Triangulo Mineiro/Alto Paranaíba, Central Mineira, Vale Do Rio Doce, Metropolitana De Belo Horizonte, Zona Da Mata Mineira, Campo Das Vertentes De Minas, Oeste Mineiro, Sul/Sudoeste Mineiro;

Área afetada para 283 municípios de MG, divisa com SP, ZCAS:
Triangulo Mineiro/Alto Paranaíba, Central Mineira, Zona Da Mata Mineira, Campo Das Vertentes De Minas, Oeste Mineiro, Sul/Sudoeste Mineiro;

Área afetada para 24 municípios divisa com GO, ZCAS:
Norte Mineiro e Noroeste Mineiro;

Área afetada para 20 municípios do ES, norte do estado, ZCAS:
Rio Doce Capixaba, Centro-Oeste Capixaba, Nordeste Capixaba, Noroeste Capixaba

ACUMULADOS DE CHUVAS, riscos potenciais:
Chuva entre 30 a 60 mm/h ou 50 a 100 mm/dia. Risco de alagamentos, deslizamentos de encostas, transbordamentos de rios, em cidades com tais áreas de risco;

Instruções:
Evite enfrentar o mau tempo.
Observe alteração nas encostas.
Se possível, desligue aparelhos elétricos e quadro geral de energia.
Em caso de situação de inundação, ou similar, proteja seus pertences da água envoltos em sacos plásticos.
Obtenha mais informações junto à Defesa Civil (telefone 199) e ao Corpo de Bombeiros (telefone 193).

TEMPESTADES, riscos potenciais:
Chuva entre 30 e 60 mm/h ou 50 e 100 mm/dia, ventos intensos (60-100 Km/h), e queda de granizo. Risco de corte de energia elétrica, estragos em plantações, queda de árvores e de alagamentos;

Instruções:
– Em caso de rajadas de vento: (não se abrigue debaixo de árvores, pois há risco de queda e descargas elétricas e não estacione veículos próximos a torres de transmissão e placas de propaganda).
– Se possível, desligue aparelhos elétricos e quadro geral de energia.
Obtenha mais informações junto à Defesa Civil (telefone 199) e ao Corpo de Bombeiros (telefone 193).

Predições/Estimavas da semana:

Sábado, (30/12), áreas de instabilidades associadas a ZCAS contribuirão para o céu encoberto sobre a cidade do RJ, devido a formação de uma área de baixa com 1006 hPa de características  subtropicais, na costa. A Marinha do Brasil durante a madrugada poderá nomeá-lo ou não. Linhas de instabilidades provocarão tempestades severas como CCM (Complexo Convectivo Meso escala) no Paraguai, na divisa com os estados de MS e MT. O calor prevalecerá para os próximos dias, mantendo as chances para tempestades;

==== ATENÇÃO ====

Domingo, (31/12), possibilidades de chuvas intensas sobre o RJ bem como entre os estados de SP, MG e ES. Divergências nos modelos, Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS) se intensifica. Ventos costeiros são possíveis na costa do RJ associada ao cavado. Linhas de instabilidades (LI) entre MG, SP e RJ como SCM (Sistema Convectivo Mesoescala) ou CCM (Complexo Convectivo Mesoescala) podem ocasionar  tempestades severas, acompanhadas de chuva forte de 30 à 100 mm/h, descargas elétricas, vendavais de 100 km/h e queda de granizo, devido as nuvens convectivas de grande crescimento vertical.

PS: Toda área de baixa pressão de características subtropicais sempre produz, em até 10 dias antes,  linhas de instabilidades (LI) que produzem chuva forte, descargas elétricas, vendavais de 100 km/h e queda de granizo. Nuvens convectivas, SCM (sistema convectivo meso escala) ou CCM (complexo convectivo meso escala) podem produzir tornados. Existem chances de chuvas volumosas e possíveis impactos sobre as regiões do Sudeste e Centro-Oeste (ZCAS). Os ventos costeiros poderão ser de moderados a forte associados ao ciclone na costa do Sudeste (SP, RJ e ES).

Predições/Estimativa da semana:

Segunda-feira, (01 e 02/01), áreas de instabilidades se intensificam.  ZCAS (Zona de Convergência do Atlântico Sul) entre as regiões do Paraguai divisa com MT, GO (Centro-Oeste), parte do Sudeste, SP (litoral chuva isolada), interior de MG, RJ (Baixadas Litorâneas e Norte Fluminense). Cavado com 1002 hPa se mantém,  ZCAS avança pro mar  sobre as cidades.

PS: Transição da área do ciclone para extratropical, mais afastado da costa, e risco para chuvas muito fortes associadas a ZCAS. Divergências dos modelos GFS. Marinha do Brasil deverá retirar a nomeação. Ventos costeiros são possíveis na costa do RJ, ES e BA associados ao ciclone no mar;

Terça-feira, (02/01), chance para chuvas volumosas de 100 mm/h/dia, acompanhadas de descargas elétricas e eventual queda de granizo associada ao calor e umidade. Existem riscos para enchentes, inundações e deslizamentos de terra entre parte do Centro-Oeste e Sudeste. Há chance para tempestades,  um novo cavado entre SC, PR e SP, divergências dos modelos quanto a origem.  A cidade do Rio de Janeiro terá a menor chance de chuvas (divergências dos modelos). Frente-fria avança para os estados do ES e BA.

=== ATENÇÃO ===

Quarta-feira, (03/01), as condições atmosféricas deverão ser totalmente severas entre os estados do Sul do Brasil e Sudeste, devido a formação de novo cavado de média e alta troposfera com 1000/998 hPa.  Por divergências do modelos GFS, existe chance para nova área de baixa pressão de características subtropicais. Os modelos GFS divergem quanto a origem, mais depois das festividades da virada do ano, poderemos ter um ideia se será um subtropical ou não. Em caso de confirmação, poderá ser nomeado pelo Centro Hidrográfico da Marinha do Brasil (CHM).

Modelos GFS, GEM, NAVAGEM indicam que a ZCAS (Zona de Convergência do Atlântico Sul) se intensifica em grandes acumulados  com transtornos às populações entre SC, PR, SP, MG e RJ para Costa Verde, Serrana e norte Fluminense, sendo a menor chance para a capital,  por divergência nos modelos;

Quinta-feira, (04/01), por divergências dos modelos GFS e CMC, nova área de baixa pressão com 1003 hPa, cavado sobre o Sudeste desestabiliza o interior do país que poderá ocasionar temporais muito fortes, que poderão vir acompanhados de descargas elétricas, vendavais de 100 km/h e queda de granizo.  Chance de chuvas volumosas para todo o Nordeste, incluindo a BA, parte do ES e interior de MG. As projeções indicam que a ZCAS poderá causar chuvas volumosas no interior de GO, MT e DF;

Sexta-feira, (05 /01), são possíveis chuvas pontuais devido a ZCAS sobre RJ entre as regiões (Serrana, dos Lagos e norte), MG, ES e BA, devido a formação de novo cavado ou mesmo uma frente-fria. Divergências dos modelos. Nas demais regiões, o sol deverá estar mais atuante;

PS: Modelos GFS indicam ainda a formação da ZCAS sobre o interior do país e nova área de baixa pressão nos subtrópicos entre PR, SP e RJ. Por divergências dos modelos GFS, ECMWF e CMC devemos aguardar as próximas estimativas para o final de semana que vem;

As informações prestadas acima estão sujeitas a atualizações nos próximos dias.

Colaboração do Prof. Douglas V. O. Lessa Paleontólogo do Clima
Fonte de pesquisa: NOAA (Administração Nacional Oceânica e Atmosférica), GFS, GEM, NAVAGEM, CMC, INMET, INPE (BRAMS), Epagri, Windy, Tempo.pt e Marinha do Brasil.

Deixe uma resposta