Coluna Caleidoscópio

Sargento Pimenta

O Bloco “Sargento Pimenta”, com 140 ritmistas, está no embalo de Momo. Até o dia 5 de fevereiro apresenta-se na Varanda do Vivo Rio, no bairro do Flamengo. No repertório, músicas famosas tocadas em ritmos carnavalescos, como as melodias do imortal grupo inglês The Beatles. Além dos ensaios, tem programação para acontecer durante os intervalos também: oficina de perna de pau, brincadeiras e apresentação do DJ Fleerer. O evento será sempre aos domingos, das 15 às 23h. O ingresso para crianças de 7 a 12 anos é R$ 15; maiores, R$ 80; se levar 1 kg de alimento não perecível, você pagará meia-entrada. Crianças de 0 a 6 anos não pagam. O Vivo Rio fica na Avenida Infante Dom Henrique, 85, no Flamengo, Rio de Janeiro. Maiores informações: www.vivorio.com.br ou pelo telefone: (21) 2272-2901.

Bonow no Gabinete de Leitura

Até o dia 2 de fevereiro, a cantora e compositora Georgeana Bonow apresenta o seu pocket show no Gabinete de Leitura Guilherme Araújo (Rua Redentor, 157 – Ipanema).

O evento começa às 19h30, e a artista apresentará também poesia de Antônio Cícero. A entrada é gratuita.

Artesãos da Folia no CRAB

Quem quiser já entrar em ritmo de Momo não pode deixar de ver a exposição “Artesãos da Folia”. A mostra, que segue até dia 23 de fevereiro, é uma parceria entre o Centro Sebrae de Referência do Artesanato Brasileiro (CRAB) e a Associação Independente dos Blocos de Carnaval de Rua da Zona Sul, Santa Tereza e Centro da Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro (Sebastiana). A exposição foi dividida em quatro ambientes, e o público poderá ver nesses espaços a apresentação do que está por trás da construção do Carnaval de rua, das ideias criativas das fantasias, adereços, instrumentos musicais, estandartes e bonecos, à confecção propriamente dita de cada item. O espaço 1 é onde estão os “Artesãos da Palavra” e trata da irreverência e ironia das palavras, reveladas em frases engraçadas e curiosas, geralmente carregadas pelos foliões nas ruas em cartazes e estandartes bem-humorados. No espaço 2 ficam os “Artesãos da Fantasia”, e destaca-se a multiplicidade de elementos e aviamentos possíveis para a construção das fantasias e alegorias, muitas vezes feitas pelos próprios foliões ou por costureiras de bairro, que ainda trabalham de forma mais artesanal. Já o espaço 3 – “Artesãos da Melodia” – é sobre a criatividade na construção de instrumentos musicais, feitos de sucatas como latas de manteiga ou banha, latas de conservas, chocalhos de tampinhas de cerveja, dentre outros materiais. Por último, o espaço 4 aborda o “Lugar de Trabalho: Oficinas” e vai reproduzir os ateliês e as oficinas de costura e adereços, com os itens que fazem parte do dia a dia de profissionais como: costureiras, aderecistas, artistas plásticos, mestres de bateria, entre outros.

A curadoria e produção são de Rita Fernandes, presidente da associação e pesquisadora de Carnaval, e a criação e a execução são de Patricia Sobral, designer e diretora da Paluana. O CRAB fica na Praça Tiradentes, 67 ao 71 – Centro do Rio. A mostra está aberta ao público de terça a sábado, das 10h às 17h. Maiores informações: www.crab.sebrae.com.br ou pelo telefone 3380-1850.

Match no CCJF

Os cariocas poderão ver até o dia 23 de fevereiro a peça “Match” no Centro Cultural da Justiça Federal (Avenida Rio Branco, 124, Cinelândia). Com uma temática extremamente contemporânea, a peça – que é uma adaptação do texto “Phoenix”, do americano Scott Organ – chega ao Brasil pelas mãos d’O Maravilhoso Coletivo, tendo em cena os atores Carol Tilkian e Ciro Sales. Bruno Guida assina a direção e também a adaptação. A narrativa é o retrato de uma história a dois que começa num aplicativo e pode ter qualquer desdobramento. Através do humor e da ironia, a história dialoga com questões latentes desse tipo de relação, transitando por temas como sexo casual, gravidez, aborto, carreira e outros, de forma leve e direta. Só para lembrar: “dar um match” é uma expressão utilizada no aplicativo de encontros Tinder. Quando duas pessoas curtem a foto e o perfil uma da outra, diz-se que “deu match”. A partir daí o aplicativo abre um chat pelo qual os dois podem conversar para marcar um encontro. A peça pode ser vista às quartas e quintas, às 19h. O ingresso custa R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia/bônus). Atenção: a entrada pode ser gratuita se um casal comprovar o “match” em aplicativos de relacionamento. Classificação etária: 12 anos.

ABC abre inscrições

Estão abertas as inscrições para o Prêmio da Associação Brasileira de Cinematografia (ABC). Os interessados podem se inscrever em nove categorias. Na categoria longa- metragem de ficção são quatro formas de premiação: melhor direção de fotografia, som, direção de arte e montagem. Além disso, há também premiação para a melhor direção de fotografia para documentário em longa-metragem; melhor direção de fotografia para: curta-metragem, série de TV, filme publicitário e filme estudantil. Para participar, o primeiro passo é se inscrever no site da ABC. É importante frisar que a inscrição só será finalizada depois que os trabalhos estiverem disponíveis através de upload, que tem data limite para ser feito até o dia 4 de março. O regulamento está disponível no site http://www.abcine.org.br/premio-abc/?id=1991&/regulamento

A Semana ABC acontece há treze edições. Durante os sete dias acontecem debates, painéis e conferências, cujo foco é tratar sobre as atuais tendências de trabalho não só no Brasil, mas  internacionalmente.

Lugares do Delírio no MAR

“Lugares do Delírio” é a nova exposição do Museu de Arte do Rio (MAR), que pode ser vista a partir do dia 7 de fevereiro, às 10h. A mostra reúne trabalhos e práticas significativos em torno do delírio e da dimensão produtiva da loucura, especialmente a partir dos anos 1940, com o trabalho da doutora Nise da Silveira no Centro Psiquiátrico Pedro I. A mostra não quer fazer distinção entre usuários e não usuários do sistema de saúde mental, bem como entrecruzar trabalhos de artistas de outras partes do Brasil e do mundo, alguns deles icônicos, como a obra de Fernand Deligny em torno do autismo.

“Lugares do Delírio” é uma sequência ao programa Arte e Sociedade no Brasil – eixo curatorial dedicado a aspectos urgentes à vida social no país, como moradia e educação.

A curadoria é de Tânia Rivera. No dia 7 está programada para acontecer às 16h conversa aberta ao público com a presença dos artistas e dos curadores. O encontro é no segundo andar do Pavilhão de Exposições. Depois, Anna Maria Maiolino faz uma performance “In Atto” no térreo do Pavilhão de Exposições. O MAR fica Praça Mauá, 5, Centro do Rio de Janeiro. Maiores informações: (21) 3031-2741.

Artigo anteriorPires
Próximo artigoOperadoras de saúde negam acesso a tratamento a pacientes com doenças preexistentes

Carla Giffoni: Jornalista, escritora e roteirista.
Atuando há 20 anos como jornalista nas Editorias dePolítica, Polícia, Economia, Cultura e Cidades, em revistas, jornais, sites e emissora de TV, entre eles:
Tribuna da Imprensa, Revista Menorah, repórter do Portal de Notícias SolidáRio, TV Bandeirantes (BM), jornal A voz da Cidade, Rádio do Comércio. Colaboradora do roteirista José Carvalho no filme “Vidas partidas”; colaboradora do roteirista Doc Comparato para o projeto “Peritos da Verdade”. Pós-graduada em Jornalismo Cultural e em Roteiro para Cinema e TV (UVA); graduada em Comunicação Social – habilitação em Jornalismo – e
também em Letras/Formação de Escritor (PUC-RJ).

COMPARTILHAR