Conto de fadas moderno

Todos acompanhamos, o crescimento de chapeuzinho vermelho, que na verdade se chamava Aurora. O apelido surgiu, quando ainda tinha 10 anos e tinha os olhos mais bonitos e resplandecentes da região. Ganhou de sua avó, um boné vermelho, que combinou muito bem com sua tez branca e cachos loiros e à medida que crescia e sentia a admiração de todos por ela, sentia-se mais e mais agradecida pelo presente da sua matriarca. Quando o boné não cabia mais em sua cabeça, trocou por um casaco de veludo vermelho, que protegia bem do frio cortante do inverno e mantinha a admiração por todos que a rodeavam. Mesmo assim, sua pureza contrastava com seu corpo.

Uma coincidência marcou o momento de sua vida. Sua querida avozinha se encontrava enferma, longe da cidade. Sua mãe por sua vez, também pegara uma gripe forte e ainda estava com Chycungunya , que impossibilitava se deslocar em grandes distancias pela neve.

Sentindo em seu sangue o instinto de sua adolescência clamar por entrar em roubadas, Chapeuzinho Vermelho decidiu atravessar a Floresta, mesmo sabendo que seu corpo já trazia atenção pela cidade, mostrando que estava pronta para o amor, quando surgiu à sua frente a figura temida e máscula do Lobo Mau, que lhe perguntou aonde iria tão linda e tão cheia de “De boa”- disse o Lobo – “Como você é linda. Que corpo show! E essa capa  vermelha só atiça meu olhar…como seria lindo se pudéssemos ficar juntos eu e você. Como minha namorada. Porque o nosso silêncio nesse momento, nada dizendo, está sendo mais amado que nunca.”

E, assim, envolvida pelo silêncio e o bater dos corações, Chapeuzinho Vermelho sente aquele primeiro frisson em sua vida. Aquele arrepio incompreensível. Aquele suspiro que envolve até esquecer todo o tempo, que parece correr mais devagar. E no lapso de momento, lembrando de seu compromisso, prossegue seu caminho, correndo por entre as árvores, tentando acalmar seu interior, ela chega à casa da sua avó e, na surpresa de encontrá-la acordada, pergunta por quê. Ah, o porquê. Sua avozinha, notívaga e fã dos programas adultos da TV por assinatura estava bem-disposta, rosto corado e acordada. Parecia de fato, até maior do que de costume, talvez altiva e confiante.”Vovozinha”- pergunta Chapeuzinho -“por que tens orelhas tão grandes””Ah, minha filha, isso é para ouvir o som do teu coração. Quando fores ao encontro do Senhor no céu, saberei onde estará. Consigo saber o ritmo das batidas mesmo ouvindo Metal pesado. Sua voz é um bálsamo para os dias mais frios e tristes na floresta. Imagine eu cercada de árvores no silêncio absoluto, apenas ouvindo o sussurrar dos bambus que estão sibilando com o roçar do vento. Sua voz é o sol que adentra na minha casa. “Vovozinha, e por que esses olhos tão grandes?”

“Ah, filha, é para poder ver a sua Beleza, a  Beleza que faz inveja as rosas. Sua beleza brilha entre todas as idéias puras e impuras e ofusca a todos com seu brilho. A contemplação de seu rosto está além do céu. Vejo tanto branco que o colorido de seu sorriso, me faz entender a importância das cores e quanto ela pode alegrar e aquecer um coração abafado pelo frio”

-“Vovozinha, e para que esses dentes tão grandes?”- “Ah, filha, abro a boca por estar obcecado por você. De ficar constantemente boquiaberto pela sua beleza e desejoso pelo seu amor. ”

Como disse Platão, quando sugeriu que nós éramos um só e quando nos separamos, ficamos tristes pela perda de nosso amor, o Lobo Mau e Chapeuzinho vermelho se tornaram uma só pessoa. Logo, o amor juvenil começou e será eterno. E realmente será eterno quando duas pessoas estão juntas mesmo, para sempre. Uma dentro da outra.