Cooperativa na contramão da crise

A partir da esquerda: Mário Lanznaster - Presidente da Aurora Alimentos, Neivor Canton - Vice-presidente da Aurora Alimentos, Marcos Zordan - Diretor de agropecuária da Aurora Alimentos e Leomar Somensi - Diretor comercial da Aurora Alimentos.

Por Marcos Bedin

Publicado em 04 de Fevereiro de 2017

Apesar das imensas dificuldades do período, a Cooperativa Central Aurora Alimentos fechou o exercício de 2016 com resultados positivos: a receita operacional bruta cresceu 12,88% e atingiu 8 bilhões 560 milhões de reais.

Os resultados foram apresentados nesta semana pelos diretores Mário Lanznaster (presidente), Neivor Canton (vice-presidente), Marcos Antônio Zordan (diretor de agropecuária) e Leomar Somensi (diretor comercial) e pela gerente de controladoria Marinei Zuffo Rocha à assembleia geral da Aurora.

“O exercício recém-encerrado ficará marcado na histórica brasileira por um quadro de dificuldades, assinalado pela recessão econômica, desemprego e baixo nível de consumo. O setor agroindustrial foi penalizado, ainda, pela aguda escassez de milho no mercado interno e pelo encarecimento geral dos insumos, o que reduziu a rentabilidade das empresas brasileiras dedicadas a transformação da proteína vegetal em proteína animal”, analisou Lanznaster.

A Aurora enfrentou esse cenário com determinação, fiel aos seus valores e princípios, não se afastando de seu planejamento estratégico. Perseverou na sua doutrina de melhorias contínuas e de otimização permanente de processos. O mercado, entretanto, não absorveu totalmente a elevação dos custos, apesar dos esforços de gestão comercial.

Em razão disso, o resultado final (as “sobras” no jargão do cooperativismo) foi de 109,2 milhões de reais, ou 1,40% da receita operacional líquida. O resultado obtido em 2015 (um ano mais favorável para a economia) havia sido de 246 milhões de reais ou 3,5% da receita global.

PRODUÇÃO

A empresa trabalhou em todas as linhas de produção. No segmento de SUÍNOS, o abate em suas sete plantas industriais atingiu 4 milhões 546 mil cabeças, incremento de 1,6% sobre o ano anterior. A produção in natura de carnes suínas cresceu 2,9% para 383,9 mil toneladas; a industrialização permaneceu estável (+0,6%) em 307,4 mil toneladas.

A produção integrada do sistema Aurora e suas cooperativas filiadas envolvem, na cadeia de SUÍNOS, 3.444 produtores cooperados, 199 mil matrizes e um plantel permanente de 1 milhão e 800 mil animais à campo.

Na área de AVES, a Aurora Alimentos abateu 247 milhões de frangos em suas oito unidades, registrando significativo crescimento de 5,9%. Esse aumento decorreu, principalmente, da inclusão da unidade de Mandaguari (PR). A matéria-prima permitiu a produção de 514 mil toneladas de carne de ave in natura (aumento de 6,8%) e de 56 mil toneladas de industrializados (+1%).

A base produtiva de aves é formada por 2.395 avicultores associados que mantêm no campo um plantel permanente de 35 milhões de frangos.

Na área de LÁCTEOS, a Aurora industrializou 451,2 milhões de litros de leite. Em razão do comportamento do clima no sul do Brasil, o volume de leite entregue pelas cooperativas filiadas decresceu em 5,6% no período. A industrialização, contudo, não recuou e manteve-se estável em 213 mil toneladas. A base produtiva de leite é formada por 8.000 produtores rurais.

         DESEMPENHO

As vendas no mercado doméstico responderam por 76% do faturamento e, as operações no mercado mundial, por 24%. No mercado interno, aumentos significativos de volumes e preços de vendas ocorreram nas regiões nordeste, sudeste e centro-oeste. No sul e norte ocorreu redução nos volumes e aumento nos preços.

No mercado externo, os preços caíram, mas, as receitas foram compensadas pelo expressivo aumento dos volumes exportados. As vendas externas em 2016 totalizaram um faturamento líquido de R$ 2,02 bilhões de reais, o que representou um aumento de 9,3% em relação ao ano anterior. O negócio aves respondeu por 62% (R$ 1,2 bilhão) e o negócio suíno com 37% (R$ 763 milhões), além de 0,54% de contribuição dos industrializados (R$ 12,7 milhões). Em volumes, a expansão foi de 13,3%, totalizando 329 mil toneladas.

Mais uma vez, a Aurora cooperou intensamente com o desenvolvimento das regiões onde atua – cerca de 170 municípios de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná e Mato Grosso do Sul – com a geração de riquezas que beneficiaram centenas de comunidades e milhares de famílias. A contribuição para a integração e o desenvolvimento regional pode ser avaliada pela geração de ICMS da ordem de R$ 1,134 bilhão; valor adicionado na atividade agropecuária de R$ 4,090 bilhões, valor adicionado na atividade industrial de R$ 2,392 bilhões e remuneração e encargos sobre folha de pagamento de salários de R$ 904 milhões.

POSIÇÃO & PRESTÍGIO

De acordo com os diretores, a prioridade em 2016 foi manter posição, com preservação dos postos de trabalho, dos níveis de produção e produtividade e da participação no mercado. Os investimentos circunscreveram-se a R$ 108 milhões para, basicamente, manutenção e adequação das plantas industriais e construção da unidade armazenadora de grãos em São Gabriel do Oeste (MS).

O cenário para 2017 apresenta sinais de término da crise, lenta retomada do crescimento e crescente taxa de confiança dos agentes econômicos. As sólidas previsões de excelente safra de grãos afastam qualquer ameaça de encarecimento de insumos, o que permite prever custos menores de produção e promessa de melhores resultados operacionais.

A privilegiada posição de terceiro maior conglomerado agroindustrial de carnes do País foi realçada, em 2016, por prestigiadas premiações e reconhecimentos nacionais. A Aurora foi eleita novamente a melhor empresa do setor de aves e suíno pelo Anuário Melhores & Maiores da revista Exame. É a segunda empresa mais amada do Brasil de acordo com o site de carreira Love Mondays. Recebeu o troféu Onda Verde na categoria Gestão Ambiental no 23º Prêmio Expressão de Ecologia. Recebeu novamente o Certificado de Responsabilidade Social da Assembleia Legislativa de SC e o prêmio Empresa Cidadã da ADVB/SC. Outras distinções: Maiores e Melhores Cooperativas Brasileiras (AveSui 2016), Líder em Agronegócio (Lide SC, Grupo de Líderes Empresariais) e Prêmio SomosCoop em comunicação e difusão do cooperativismo (OCB).