Criatividade para driblar a crise

A crise econômica tem assolado o povo brasileiro já há algum tempo. Diante do problema, cada pessoa reage de uma maneira na luta pela sobrevivência. Não raro, surgem ideiais criativas, como por exemplo, Barbeiros da Calçada".

Criatividade para driblar a crise

A crise econômica tem assolado o povo brasileiro já há algum tempo.  Diante do problema, cada pessoa reage de uma maneira na luta pela sobrevivência. Não raro, surgem ideiais criativas, como por exemplo, Barbeiros da Calçada”. No subúrbio do Rio encontramos profissionais com suas tendas e equipamentos prontos para receberem seus fiéis clientes.

A maioria desses profissionais possui experiência em salões de cabeleireiro. É o caso de Valmir Pereira dos Santos, 27 anos, que trabalhou em um salão, mas resolveu se juntar com dois amigos, ambos profissionais. Investiram em equipamentos e foram à luta, ou seja: para a calçada, onde trabalham há três anos. “Tá dando para tirar o ganha-pão e sobreviver”, diz o jovem Luiz Fernando, que também trabalha na calçada.

Outro que está satisfeito é Marlon Moisés, 29 anos, casado e pai de três filhos. Ex- dono de salão, Marlon frisa que decidiu ir para a calçada e que está satisfeito. Trabalha de segunda a sexta, das 13 às 20h. E aos sábados, a partir das 8:30h. Ressalta que atende uma média de oito clientes por dia, fato que tem lhe proporcionado tirar o sustento para sua família. O valor do corte varia entre R$10 e R$20. “O corte simples é o mais barato; e o navalhado, o dobro. No final do mês consigo tirar entre um salário mínimo, às vezes dois” – explica Marlon.

Clientes não têm faltado para Matheus de Oliveira, 17 anos, que estuda Análise e Desenvolvimento de Sistema, na Faculdade Estácio de Sá .“Quero dizer a todos os jovens,  que procurem trabalhar porque não tem coisa mais gratificante do que você ser honrado”, diz Matheus. Matheuzinho, como é conhecido, revela que investiu R$4000 na compra de seus equipamentos. E que, há dois anos, está na calçada atendendo os seus clientes, de terça a sábado, das 10 às 19h. O jovem garante que está feliz e que consegue faturar até R$2000 por mês.