Especialistas avaliam área onde casa foi engolida por uma cratera na Rio-Petrópolis

A área onde a cratera se abriu e engoliu uma casa, foi avaliada por especialistas Foto: Divulgação/ PMP

Equipes da Companhia de Pesquisas de Recursos Minerais (CPRM) – empresa vinculada ao Ministério de Minas e Energia – e do Serviço Geológico do Estado do Rio de Janeiro (DRM) ao lado do professor Cláudio Palmeiro do Amaral, da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), avaliaram na manhã desta quarta-feira (08/11) a área às margens da BR-040, na altura do quilômetro 81, sentido Rio, onde uma cratera se abriu e engoliu uma casa na manhã de terça-feira (07/11). Ninguém ficou ferido no deslizamento.

A avaliação técnica foi solicitada pelo município Petrópolis, cidade da região serrana do estado. “A presença dos técnicos é fundamental neste momento. A prefeitura está adotando todas as medidas possíveis para resguardar a segurança dos moradores daquela área e para minimizar os impactos do ocorrido para a cidade”, disse o prefeito Bernardo Rossi.

Fiscalização

Ainda na terça-feira o prefeito acionou os Ministérios da Integração Nacional, dos Transportes, além da Agência Nacional de Transportes Terrestres – responsável pela fiscalização da concessionária que administra o trecho da Rodovia Rio-Juiz de Fora, e que é a responsável pelas obras de duplicação da BR-040 e pela construção do túnel que passa sob a área atingida. As intervenções estão paralisadas há mais de um ano. A equipe técnica solicitou informações à Concer, para dar andamento aos trabalhos.

A Secretaria Municipal de Defesa Civil e Ações Voluntárias, que atua na região do Contorno desde os primeiros sinais de desmoronamento, continua monitorando a área, com especial atenção às casas e a pista sentido Rio da BR-040. O desabamento não teve feridos ou vítimas, mas deixou 46 famílias desalojadas – 129 pessoas, que no primeiro momento foram direcionadas para um ponto de apoio em uma igreja no bairro, mas hoje em casas de parentes.

“A avaliação técnica é um instrumento fundamental para o direcionar as nossas ações.  A Defesa Civil mantém a área isolada por questão de segurança. Estamos aguardando a estabilização do terreno para que nossa equipe técnica faça a avaliação individual dos imóveis no entorno”, explica o secretário de Defesa Civil Paulo Renato Vaz, destacando que é necessário aguardar a estabilização do terreno.

Donativos

A Guarda Civil Municipal, assim como a Companhia Petropolitana de Transito e Transportes (CPTrans) e a Secretaria de Assistência Social também mantém equipes no local. Ainda na terça-feira a Assistência Social disponibilizou cestas básicas e kits de higiene pessoal para as famílias atingidas. Por isso, no momento, não é necessária nenhuma mobilização para arrecadar donativos para as famílias.

Segundo a prefeitura, o acidente não prejudica os acessos a Petrópolis. A circulação de veículos entre Itaipava e o Centro Histórico de Petrópolis está garantida apesar do acidente na altura do quilômetro 81, na BR -040, trecho interditado em função da abertura da cratera. O fluxo de veículos leves é desviado pelo bairro Duarte da Silveira – para quem segue de Itaipava – em direção ao Rio. A pista de descida da serra tem trânsito normal, assim como a pista de subida – distantes do local do ocorrido. Agentes da CPTrans (Companhia de Trânsito e Transportes) e Polícia Rodoviária Federal estão no local orientando o desvio.

A prefeitura ingressou com ação civil pública na 4ª Vara Cível reivindicando que a Concer, de imediato, arque com a realocação das famílias. A prefeitura noticiou ainda, por meio de ofício, o ocorrido ao Ministério Público Federal, que já tem um procedimento sobre as condições de segurança do túnel, que faz parte das obras para duplicação da BR-040. O município acionou também o IBAMA– que concedeu as licenças ambientais para as obras de duplicação da BR-040 O município pede ao IBAMA a identificação das causas do desabamento.

As aulas da Escola Municipal Leonardo Boff, localizada no Contorno estão suspensas esta semana. A Secretaria de Educação aguarda o posicionamento sobre a liberação do espaço. Caso não seja liberado, a Secretaria vai providenciar o atendimento dos 73 alunos em outras unidades da rede municipal.

Deixe uma resposta