Especialistas da Universidade de Columbia debatem como melhorar ambiente de negócios do Rio

Thomas Trebat destacou que as cidades mais competitivas do mundo têm uma intensa articulação entre setor produtivo e academia. Foto: Vinícius Magalhães

Sist. Firjan

Parcerias entre universidades e indústrias podem acelerar o processo de melhoria do ambiente de negócios ao estruturar práticas voltadas para o aumento da competitividade. Segundo Thomas Trebat, economista e diretor do Columbia Global Center do Rio de Janeiro, as cidades mais competitivas do mundo têm uma intensa articulação entre representantes do setor produtivo e da academia, além de capital humano forte.

De acordo com dados do Banco Mundial, no período de 2005 e 2012, 10% das cidades com melhores ambientes de negócios do mundo cresceram suas economias em 13,5% anualmente. “Foi observado ainda uma elevada geração de empregos e polos de atração para investimentos estrangeiro. Elas também são descentralizadas, coordenadas e baseadas na colaboração”, analisou Trebat, durante o seminário Ambiente Favorável aos Negócios, promovido pelo Sistema FIRJAN, para debater o tema.

Para Leonardo Petronilha, cientista político e professor da Universidade de Columbia, em Nova York, há urgência na reflexão acerca de estratégias inovadoras no campo empresarial, principalmente pela lacuna deixada por algumas escolas públicas. “Um dos caminhos é o empresariado investir em novos modelos de educação corporativa, para si e para os colaboradores, de modo a minimizar esse problema. Para funcionar, ela deve alinhar produtividade com valorização do homem, além de ser regular e ter acompanhamento”, observou.

Segundo Trebat, é necessário ter foco analítico e sustentável sobre as cidades brasileiras: “A ideia é que as melhores práticas possam ser aplicadas da base para o topo para influenciar a competitividade nacional. Os desafios podem ficar mais fáceis de serem analisados se forem abordados em níveis de cidades e regiões”.

A melhoria no transporte público, as reservas do pré-sal e a escolha do estado para sediar os Jogos Olímpicos de 2016 foram fatores que contribuíram de forma positiva com o ambiente de negócios, de acordo com o economista.

Parceria internacional

O seminário Ambiente Favorável aos Negócios inaugurou o programa de estratégia empresarial fruto de uma parceria entre o Instituto Euvaldo Lodi (IEL) e a Columbia Business School. O objetivo é contribuir para a construção de um ambiente de negócios mais favorável no estado do Rio, através da educação executiva.

A ação contará com mais quatro seminários até junho de 2018 e uma imersão à Universidade de Columbia, em agosto, com associados do Sistema FIRJAN.

Com duração de uma semana, os gestores farão visitas a empresas e terão aulas sobre compliance, governança corporativa, inovação, gestão e comunicação. “Queremos que o IEL seja reconhecido como a principal Escola de Negócios da Indústria do estado do Rio até 2020. Por isso, desde o ano passado mudamos o nosso posicionamento de atuação para atender melhor às demandas dos nossos associados. Uma das nossas percepções foi a necessidade de trabalhar com grandes faculdades internacionais”, explicou Alexandre dos Reis, superintendente do IEL.

Marcos Caiado, diretor da Parmê, acredita que a parceria com a Universidade de Columbia fortalecerá os empreendedores fluminenses: “Esse intercâmbio de conhecimento e experiências é um dos caminhos para melhorar nosso ambiente de negócios. O investimento em educação executiva traz retornos para as empresas e para as regiões em que estão inseridas”.

Para o diretor do Columbia Global Center do Rio de Janeiro, discutir competitividade e políticas públicas, trazendo melhores práticas e adaptando- as ao contexto local, é um dos principais focos da Universidade de Columbia com o Brasil “Queremos entender mais o país e ajudar a solucionar os problemas identificados”, disse Trebat.

O seminário aconteceu em 20 de junho, na sede da Federação.