EUA e Israel anunciam que deixarão a UNESCO

Foto Divulgação

Os Estados Unidos anunciaram que vão abandonar a UNESCO no fim de 2018, citando a necessidade de reformas e preconceitos contra Israel na organização, comunicou nesta quinta-feira (12) a porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert.

“Em 12 de outubro, o Departamento de Estado notificou para a diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova, sobre a decisão dos EUA de abandonar a organização […] Não foi fácil tomar esta decisão, e ela reflete as preocupações dos EUA em torno do acúmulo de dívidas da UNESCO, da necessidade de reformas fundamentais da organização e do preconceito contra Israel”, declarou Nauert, acrescentando que a decisão entrará em vigor em 31 de dezembro de 2018.

A diretora da UNESCO (Organização Educacional, Científica e Cultural), Irina Bokova, comunicou que a organização recebeu a notificação oficial de Washington, avisando que os EUA vão abandonar a organização. Ela qualificou o passo dos EUA como “perda de multilateralismo”.

“Eu gostaria de expressar meu profundo pesar quanto à decisão dos Estados Unidos da América de abandonar a UNESCO”, assinalou Bokova em comunicado.

Em seu comunicado, Bokova recordou que Washington resolveu suspender o financiamento da organização em 2011, dizendo na época que os lados precisam um do outro. Ela frisou que hoje a importância de cooperação entre os EUA e a UNESCO tem crescido já que o mundo tem que lidar com terrorismo, antissemitismo e violação da liberdade.

As relações entre Israel e a organização cultural da ONU vêm se deteriorando nos últimos meses. Israel reduziu a quantidade de pagamentos dos fundos, transferida anualmente à ONU, em resposta à organização ter qualificado Israel como país ocupante de Jerusalém Oriental.

A organização internacional UNESCO foi fundada em 1945 a fim de promover o respeito à lei e aos direitos humanos através da colaboração cultural e científica.

Israel anuncia que também irá deixar UNESCO

Israel anunciou nesta quinta-feira (12) que pretende sair da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, “deu instruções ao ministro das Relações Internacionais para preparar a saída de Israel da organização, paralelamente aos Estados Unidos”, informou, em comunicado, o gabinete do chefe do Governo de Israel.

O comunicado israelense também afirma que “a Unesco se tornou o teatro do absurdo, onde se deforma a história, em vez de preservá-la”.

A UNESCO lamentou a decisão estadunidense em comunicado e relembrou que Washington interrompeu os repasses de recursos ao organismo em 2011, após a UNESCO reconhecer a Palestina como Estado-membro da entidade.

Fonte: Sputnik