Fenômeno Luz Cinérea proporcionará espetáculo no céu

No início do mês de agosto, a Lua com Luz Cinérea irá dar o show nas madrugadas frias de inverno. O fenômeno da Luz Cinérea ou brilho pálido (ashen glow), brilho da Terra (Earthshine), brilho planetário (planetshine) ou Brilho de Da Vinci (The Da Vinci Glow) é um fenômeno observável nos dias que precedem e sucedem a fase de Lua Nova, dias após a Lua entrar em fase minguante e antes da Lua entrar em fase crescente.

A luz cinérea a luz do Sol é refletida pelo nosso planeta que acaba iluminando a parte escura da Lua, quando o Sol se põe, o nosso satélite natural deveria ficar escuro, mas não completamente escuro. Há ainda uma fonte de luz no céu: o planeta Terra. A Terra ilumina a noite lunar 50 vezes mais que na noite de Lua cheia, produzindo o brilho pálido.

Antes e após a fase da Lua Nova, o nosso vizinho sideral aparece no céu com um fino brilho crescente e podemos observar que o resto do seu disco também fica iluminado de forma tênue, apresentando geralmente uma tonalidade de cinza e chamada de luz cinzenta, assim chamada porque sua coloração lembra a tonalidade incandescente das cinzas. A este fenômeno chamamos luz cinérea e deve-se à reflexão da luz do Sol pelo planeta Terra, que reflete e ilumina por sua vez a superfície da Lua.

As melhores datas de para observar a Luz Cinérea é o terceiro e o quarto dia, antes e depois da Lua Nova. Nestas condições a Lua ainda não está tão iluminada pelo Sol e os contrastes das regiões lunares ficam ainda maiores.

Algumas pessoas percebem a luz cinérea com naturalidade, sem estranhar, outras ficam curiosas com o fenômeno celeste que acontece todo mês, mas não conseguem descobrir sua causa. Mas há aquelas que chegam a compreender o fenômeno e explica-lo com perfeição, como fez o gênio Leonardo da Vinci.

Fonte de pesquisa Clube de Astronomia do Rio de Janeiro e colaborador prof. Carlos Ayres e Rodrigo Andolfato