Hospitais universitários realizam mutirão de atendimento nesta quarta (31)

Serão ofertados 4,8 mil exames, 668 cirurgias e 3,4 mil consultas referentes a 30 especialidades em todo o País

Há seis anos, Nely Barbosa passou por uma cirurgia plástica por conta de um de câncer de pele. “Sou nascida e criada no interior e trabalhei muito no sol, na lavoura”, conta. Agora, a moradora de Recife (PE) terá de ser submetida mais uma vez a um procedimento cirúrgico para a retirada de uma nova mancha no nariz. Ela será uma das pacientes beneficiadas com o 2º Mutirão Nacional da Rede Ebserh, que será realizado em todo o país no próximo dia 31 de maio. O objetivo é reduzir a demanda reprimida nas unidades e na rede do Sistema Único de Saúde (SUS).

Promovido pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), a expectativa é que o evento realize mais de 8 mil procedimentos nos 39 hospitais universitários federais filiados à estatal, nas cinco regiões do Brasil. “Eu passei por uma junta médica e o médico falou: ‘a gente tem que fazer uma nova cirurgia’. Daí eles agendaram e eu vou”, conta Nely, paciente do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco (HC-UFPE), uma das unidades filiadas à Ebserh.

Jussier Dantas, 33 anos, participava de um culto evangélico, em março de 2016, quando sentiu fortes dores no abdômen e foi encaminhado para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Medicado, recebeu alta e o encaminhamento para exames de imagem, que diagnosticaram a necessidade de retirada cirúrgica da vesícula biliar, pela presença de cálculos, as conhecidas ‘pedras’ na vesícula.

“No início de maio, recebi uma ligação informando do mutirão dos hospitais universitários, que encerraria com a minha espera. Completei doze meses na fila para cirurgia e considero um verdadeiro presente. Depois dessa cirurgia vou poder retomar a normalidade da rotina”, explica Dantas, que passará pelo procedimento no Hospital Universitário Onofre Lopes da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Huol-UFRN).

Apenas no Huol, serão realizadas 33 cirurgias como as de Jussier, 100 cirurgias oftalmológicas, 1.200 avaliações em tireoide e 200 atendimentos oftalmológicos, além ações antitabagismo e acolhimento das mães com crianças com microcefalia que fazem acompanhamento na unidade. No total, já foi confirmada para a segunda edição do evento a oferta de 668 cirurgias em 16 especialidades, 4,8 mil exames em 31 especialidades, 3,4 mil consultas referentes a 30 especialidades, além de 167 atividades educativas.

No primeiro Mutirão, foram realizados 3.649 atendimentos em 22 estados e Distrito Federal, incluindo 664 cirurgias, 879 consultas e 2,1 mil exames. Ao todo, a iniciativa envolveu mais de 7,6 mil profissionais dentre médicos, enfermeiros e técnicos da área de saúde. Para o presidente da Ebserh, Kleber Morais, o evento busca a melhoria do sistema público de saúde. “O Mutirão mostra a relevância da Rede Ebserh para o usuário do SUS. É nosso papel oferecer atendimento a quem precisa, além de apoiar o ensino, a pesquisa e inovação tecnológica”, ressaltou Morais.

Sobre a Ebserh

Estatal vinculada ao Ministério da Educação, a Ebserh administra atualmente 39 hospitais universitários federais. O objetivo é, em parceria com as universidades, aperfeiçoar os serviços de atendimento à população, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), e promover o ensino e a pesquisa nas unidades filiadas.

O órgão, criado em dezembro de 2011, também é responsável pela gestão do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), que contempla ações nas 50 unidades existentes no país, incluindo as não filiadas à Ebserh.

 

Fonte: Portal Brasil