Idosa que pode ter sido agredida pelo filho vai para abrigo

A juíza Ana Paula Delduque Migueis Laviola de Freitas, do 3º Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher de Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio, decidiu nesta segunda-feira, dia 29, encaminhar a um abrigo a idosa, de 82 anos, que teria sido vítima de maus-tratos praticados pelo próprio filho, o bacharel em direito Roberto Elísio Coutinho, de 60 anos. O acusado terá de ficar afastado da mãe – mantendo uma distância mínima de 100 metros – pelo prazo de 90 dias, a contar da data de sua intimação.

De acordo com a decisão, ele está proibido de manter qualquer contato com a mãe e testemunhas por quaisquer meios de comunicação, incluindo a internet.  O descumprimento da decisão poderá acarretar a decretação de sua prisão preventiva.

Após a idosa passar por exame de corpo delito, foram detectadas algumas manchas que não comprovam ainda que tenham sido provocadas pelo filho. Em depoimento na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam), Roberto alegou que a dificuldade de locomoção é consequência das quedas frequentes da mãe. O caso está sendo investigado pela especializada, através de depoimentos do acusado, de vizinhos, além de um vídeo com o autor agredindo a mãe durante o banho. As cenas foram filmadas por moradores e publicadas na Internet.

"Desta forma, pelos indícios de ofensa à integridade física e psicológica da vítima, que se trata de hipervulnerável, cuja proteção dos direitos e garantias fundamentais é assegurada em sede constitucional, verifico a necessidade de concessão das medidas protetivas de urgência previstas no artigo 22, inciso III da Lei nº 11.340/06, bem como o abrigamento da vítima na forma da aludida promoção ministerial”, escreveu a juíza na decisão.

Fonte: TJ/RJ