Lançado no Veste Rio, selo Moda Rio agregará valor à cadeia de moda fluminense

Valorizar os produtos fluminenses é uma estratégia que o Sistema FIRJAN utiliza para fortalecer a indústria do estado do Rio. Por isso, foi lançado o selo Moda Rio durante o Veste Rio, evento que se consagrou como a principal plataforma de moda do país, unindo salão de negócios, outlet, ciclo de palestras e gastronomia. A iniciativa permite que as empresas da cadeia de moda agreguem valor às suas marcas, garantindo aos clientes a qualidade de seus serviços e produtos ao identificar a procedência.

Desfile Veste Rio“O Rio é um lugar que vende lifestyle, e a moda está muito ligada a isso. Mais do que qualquer outro estado, é imprescindível que a indústria fluminense se aproprie dessa característica em seu benefício. Precisa, de fato, assumir o protagonismo da cadeia da moda”, destacou Daniela Falcão, editora-chefe da Vogue.

Segundo Antonio Berenguer, diretor do Centro Industrial do Rio de Janeiro (CIRJ) e conselheiro da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), quando um estrangeiro pensa em moda brasileira, ele está se referindo à moda carioca e, por isso, os empresários deveriam investir mais em exportação: “O Brasil deve ter capacidade de competir no mercado internacional, além de fazer marketing para si. O selo é uma forma de fazer isso, qualificando os produtos made in Rio”.

Já Roberto Leverone, coordenador do Fórum Empresarial de Moda da FIRJAN, complementa ressaltando a necessidade de o estado do Rio reconquistar a primazia do setor no Brasil. “Esse selo vai estimular as marcas comprarem de fornecedores fluminenses. É o símbolo de renascimento da moda no Rio de Janeiro”, afirmou Leverone, que também é proprietário da Floc Têxtil.

Os selos Moda Rio foram entregues aos empresários que participaram do lançamento. Durante o Veste Rio, foram entregues tags Moda Rio para que os empresários utilizassem nas peças expostas.

Lançamento do Selo- Moda Rio
Lançado no Veste Rio, selo Moda Rio agregará valor à cadeia de moda fluminense

Caravanas empresariais

Patrocinador da feira, o Sistema FIRJAN levou ao espaço dois desfiles – um de novos talentos e outro com marcas consagradas –, apoio às empresas associadas para a geração de negócios e palestras qualificadas, com os temas “Repensando a cadeia: como marcas que não nasceram com foco na sustentabilidade podem se adaptar aos novos tempos?” e “Made in Rio: como o Caderno Ela interpreta a moda global para o estilo dos cariocas”. Foi realizada também uma visita guiada com alunos do SENAI de Valença para conhecerem de perto os bastidores da moda.

Além disso, caravanas empresariais foram organizadas com empresários do Sul Fluminense, Cabo Frio, Petrópolis e Três Rios. Tatiane dos Santos, diretora criativa da Usawa Upcycling, participou pela primeira vez de uma caravana patrocinada pela Federação, com o intuito de observar as tendências: “Vim de Petrópólis para fazer pesquisas de mercado e de público-alvo, já que nossos consumidores estão na capital. Visitei estandes de marcas que produzem peças mais autorais e vão ao encontro da nossa proposta”.

Solange Carvalho, presidente do Sindicato das Indústrias do Vestuário do Sul do Estado do Rio de Janeiro (Sindvestsul), destacou a importância de os empresários participarem de eventos como o Veste Rio, por ser um benchmarking para eles. “É uma forma de se atualizarem, de verem as novas tendências e valorizarem a moda no interior do estado”, disse Solange.

“O que mais me chamou a atenção positivamente foi o excelente espaço disponibilizado para marcas novas. Dar oportunidade para novos talentos sempre foi uma maneira de crescer e fortalecer os setores”, observou Alessandra Marins, diretora do Instituto Rio Moda.

O Veste Rio também foi positivo para marcas mais consolidadas, como a Tai Dai, da empresária Vania Oliveira. Mesmo com o mercado em crise, ela considera um sucesso a sua participação no Salão de Negócios da feira, totalizando mais de 20 negócios e parcerias firmados. “A FIRJAN me deu todo o suporte para que eu conseguisse atingir bons resultados mesmo com o consumo afetado pelo cenário de crise econômica”, observou.

Além das caravanas empresariais, o evento contou com a visita de alunos do SENAI de Valença. O grupo, com cerca de 40 estudantes de cursos como modelista, costura industrial e confecção de bolsas, pode ver de perto os bastidores do mercado da moda fluminense.

Luiza Teixeira conta que moda é o que ela sempre desejou para sua carreira profissional. “O Veste Rio ampliou minha concepção e meus horizontes. Pude ver diferentes coleções com muitas misturas de tecidos e cores”, destacou a aluna de modelagem, que desenha roupas desde criança.

A também estudante de modelagem, Maria Fernanda do Carmo, define a participação no Veste Rio como um divisor de águas: “O evento abre muito a nossa cabeça, consegui ver de perto a variedade de estilos que, com certeza, vão influenciar positivamente a minha formação”.

O Veste Rio acontece entre 26 e 30 de abril, no Pier Mauá, Zona Portuária do Rio de Janeiro.