Mário Lanznaster: equilíbrio é uma das virtudes do cooperativismo

Entrevista Mário Lanznaster .

Marcos Bedin/SC

O Dia Internacional do Cooperativismo, celebrado no primeiro sábado do mês de julho(neste ano, no dia 1º), é amplamente comemorado em Santa Catarina. Isso porque o sistema cooperativista transformou-se em instrumento essencial de desenvolvimento, integração e inclusão no cenário socioeconômico, o que tornou o Estado reconhecido no País quando o assunto tem este foco. Nesta entrevista, o presidente da Cooperativa Central Aurora Alimentos, a maior sociedade cooperativa do Estado, Mário Lanznaster, fala sobre o sucesso e os desafios do sistema cooperativista, além das projeções do conglomerado Aurora para este ano.

Na sua visão, quais são as virtudes do sistema cooperativista catarinense?

Mário Lanznaster-  O sistema cooperativista está fundado na valorização do trabalho, na liberdade de adesão em uma governança aberta e em uma gestão democrática. O equilíbrio é uma das virtudes do cooperativismo. É uma terceira via entre o socialismo utópico e o capitalismo selvagem.

O que justifica o crescimento do cooperativismo do Estado além da média nacional nos últimos anos?

Mário Lanznaster-  O comprometimento com a qualidade e a eficiência, o foco nas atividades de cada ramo, a preocupação com as comunidades onde atuam as cooperativas – tudo isso gera resultados. As cooperativas trabalham para fazer o bolo crescer e, só depois, repartir os resultados na proporção da contribuição de cada um.

As cooperativas são reconhecidas por investirem forte no Brasil. O sistema precisa de mais apoio para expansão?

Mário Lanznaster-  O governo tem certa dificuldade em reconhecer os benefícios para a economia e para a população que o cooperativismo proporciona. Com exceção do chamado “ato cooperativo” (a relação comercial entre a cooperativa e seus associados), não há nenhum benefício ou vantagem. O BNDES, por exemplo, poderia ampliar os financiamentos aos projetos de expansão das cooperativas.

De que forma o sistema cooperativista contribui com o produtor rural, com a sociedade e com os governos?

Mário Lanznaster-  As cooperativas geram empregos, riquezas e tributos. O caso da Aurora é muito ilustrativo. Ela coopera intensamente com o desenvolvimento das regiões onde atua – cerca de 170 municípios de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná e Mato Grosso do Sul – com a geração de riquezas que beneficiaram centenas de comunidades e milhares de famílias. Tomando por base o último ano, a contribuição para a integração e o desenvolvimento regional pode ser avaliada pela geração de ICMS da ordem de R$ 1,134 bilhão; valor adicionado na atividade agropecuária de R$ 4,090 bilhões, valor adicionado na atividade industrial de R$ 2,392 bilhões e remuneração e encargos sobre folha de pagamento de salários de R$ 904 milhões.

A Aurora vem se destacando por investir em outras regiões produtivas do país. Quais são os fatores que motivaram a expansão para o Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul?

Mário Lanznaster-  Isso faz parte da evolução do conglomerado Coopercentral Aurora Alimentos. Precisamos estar presente nas regiões que asseguram nosso principal insumo – o milho – e que disponham de infraestrutura de transportes, comunicações etc. A operação de uma agroindústria é muito complexa. No grande oeste catarinense, a densidade populacional de aves e suínos já atingiu seu limite.

Fale um pouco sobre a atual estrutura do terceiro maior conglomerado industrial do setor de carnes do Brasil: 

Mário Lanznaster-  A Aurora completou 48 anos no dia 15 de abril com uma comunidade produtiva formada por mais de 100 mil famílias espalhadas por 500 municípios brasileiros. São 26.649 colaboradores diretos da Aurora e 72.203 famílias rurais cooperadas que formam a base produtiva no campo, além dos 9.580 colaboradores das 13 cooperativas agropecuárias que a constituem. Tem uma capacidade de abate de 18 mil suínos/dia, 1 milhão de aves/dias e um processamento de 1,5 milhão de litros de leite/dia. A Aurora mantém oito unidades industriais de suínos, sete de aves, seis fábricas de ração, 13 unidades de ativos biológicos (incluindo granjas, incubatórios e unidades de disseminação de gens), doze unidades de vendas, uma unidade de processamento de Lácteos, em Pinhalzinho e a sede central (matriz).

Qual é a expressão da Aurora no cenário nacional?

Mário Lanznaster- Além de ser formada por uma comunidade produtiva com mais de 100 mil famílias espalhadas por 500 municípios brasileiros, alguns reconhecimentos demonstram a expressividade do sistema. Representamos a segunda empresa mais amada do Brasil de acordo com o site de carreira Love Mondays. Recebemos o troféu Onda Verde na categoria Gestão Ambiental no 24º Prêmio Expressão de Ecologia. Conquistamos novamente o Certificado de Responsabilidade Social da Assembleia Legislativa de SC e o prêmio Empresa Cidadã da ADVB/SC. Outras distinções: Maiores e Melhores Cooperativas Brasileiras (AveSui 2016), Líder em Agronegócio (Lide SC, Grupo de Líderes Empresariais) e Prêmio SomosCoop em comunicação e difusão do cooperativismo (OCB), entre outros.