Moscou espera alteração da lei para ter taxi aéreo em massa a partir de 2018

Carros voadores, e alguns autônomos, só aguardam alteração de lei. Um dos mais promissores é serviço que utilizará tecnologia blockchain, uma espécie de “livro de registro” digital, e poderá transportar até quatro pessoas por vez.

Modelo apresentado em salão deve custar até US$ 120 mil por unidade Foto:Divulgação

Modelos de táxis voadores que poderão entrar em operação já no ano que vem foram apresentados esta semana no Maks 2017, o maior salão de aviação na Rússia. A inovação foi exposta pela startup russa Bartini.

Segundo os desenvolvedores, para avançar no mercado de aviação em massa, o recurso utilizará a plataforma blockchain, um “livro digital” em que as transações feitas em bitcoin ou outra criptomoeda são registradas cronológica e publicamente.

A plataforma está sendo desenvolvida pelo consórcio Blockchain.Aero, e o carro desenvolvido por Bartini será o primeiro a colocá-la em prática.

O preço do carro voador da Bartini, que poderá decolar e pousar verticalmente e tem capacidade de 2 a 4 pessoas, é estimado entre US$ 100 mil e US$ 120 mil.

Outra empresa, a ATM Freight Drones, prometeu lançar táxis aéreos autônomos em Moscou em 2018, após a aprovação de leis pertinentes.

“Apresentamos uma iniciativa para alterar a legislação atual para que os drones pessoais possam ser usados ​​para o transporte de carga e passageiros”, disse o diretor da empresa, Aleksandr Atamanov, à TASS.

“O posicionamento da Prefeitura de Moscou é positivo, mas cabe às autoridades federais a decisão final. Se conseguirmos fazê-lo, Moscou se tornará uma das capitais mais inovadoras do mundo. Penso que, no melhor dos casos, levará um ano [para alterar lei]”.

Nesse caso, deverá haver “um escalão estreito, de 10 a 15 metros, acima do solo, das vias, dos rios e das estradas ferroviárias por onde o transporte passa”, acrescentou.

Inicialmente, os táxis aéreos estarão disponíveis apenas para viagens curtas. Será possível contratar o serviço por meio de um aplicativo, de acordo com Atamanov. “Não vamos ter que ficar no trânsito e não haverá semáforos. Eles serão uma dúzia de vezes mais rápido do que o transporte terrestre”, disse o empresário.

Fonte: Gazeta Russa