Novo túnel é inaugurado em Niterói em meio a reclamações de moradores

Nem tudo foi festa na inauguração do túnel da transoceânica que liga a zona sul de Niterói à Região Oceânica. Moradores da região reclamaram da falta de ciclovias no traçado das pistas que conduzem às galerias. Eles afirmaram que em vários trechos a calçada é muito estreita, o que os leva a disputar espaço com os automóveis e pedestres.

A moradora Lúcia Maranhão lembra que “antes da obra podíamos ir ao mercado com segurança porque havia a ciclofaixa, mas agora nem isso. A pista para carros foi estreitada na Avenida Raul de Oliveira Rodrigues, antiga Avenida Sete. A ciclovia alternativa da lagoa não pode ser usada devido à falta de segurança. Não tem luz. Falta urbanização”. Outra moradora que falou foi Lúcia Santana, uma adepta da bicicleta que está deixando a prática. Ela disse que os “os motivos são a violência e a falta de espaço”.

Maritza Macieira Couto, que mora em Piratininga e utiliza bicicleta como meio de transporte ressaltou que durante o seu trajeto pela antiga Avenida Sete até as proximidades do túnel não viu nenhuma ciclovia ou ciclofaixa. “Até chegar aqui nós não passamos por algum lugar que fosse destinado aos ciclistas. No acesso todo, tanto pelo Cafubá quanto pela Estrada Francisco da Cruz Nunes não fizeram nenhuma faixa exclusiva só para os ciclistas. No meu caso, eu quero usar isso para ir ao trabalho no Rio. Quero deixar a bicicleta nas barcas, mas ainda não tem condição. Que bom que o túnel foi feito e estou muito feliz. Contudo, a gente precisa ter  infraestrutura não só para que o túnel fique de contribuição para o trânsito, mas que nós ciclistas possamos ter segurança para entrar nele e sair dele”, afirmou a moradora.

Mas não foram apenas os insatisfeitos que falaram da obra. Morador da Região Oceânica desde 1978, Antônio de Azevedo Alves, o seu Antônio do bacalhau, fez questão de participar da solenidade de abertura do túnel. Ele conta que acompanhou de perto os investimentos no bairro desde o início das obras. “Não acreditava que veria o túnel sair do papel. Quando me mudei para o Cafubá, nem nome o bairro tinha. Sempre lutamos por investimentos aqui, fui até presidente de  Associação de Moradores. As obras de drenagem e pavimentação também foram muito importantes para a nossa qualidade de vida, porque agora o bairro não alaga mais quando chove”, observou o comerciante.

Túnel

O túnel Charitas – Cafubá já está aberto ao tráfego de veículos. Ele foi inaugurado no sábado (06/05), às 13 horas, após solenidade realizada pelo prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, que percorreu as duas galerias. Dirigindo o primeiro carro que passou pela pista sentido Charitas, o prefeito fez o percurso de volta para o Cafubá de bicicleta.

A nova ligação entre a Zona Sul e a Região Oceânica era esperada há mais de 70 anos pelos niteroienses. São duas galerias (uma em cada sentido), cada uma com aproximadamente 1,3 quilômetros de extensão e três pistas (duas para carros, uma para ônibus do sistema BHS), além de uma ciclovia. Não há cobrança de pedágio.

Ao inaugurar o túnel, Rodrigo Neves disse que aquela era uma data muito importante para história da cidade. “Tenho muito orgulho da minha trajetória na cidade e de estar realizando esta que é a maior obra dos últimos anos na cidade,” observou. Segundo Neves, “o túnel é muito mais que uma obra viária, é um conceito de sustentabilidade, que terá moderno sistema de transporte público, além das ciclovias, encurtando distâncias e trazendo mais qualidade de vida para as pessoas”.

As galerias homenageiam duas personalidades de Niterói. O jornalista e escritor Luís Antônio Pimentel da nome à passagem Cafubá – Charitas, e o ex-prefeito João Sampaio batiza o trajeto Charitas-Cafubá.

Participaram da cerimônia o vice-prefeito eleito deputado estadual Comte Bittencourt, o secretário executivo Axel Grael, o presidente da Câmara de Vereadores Paulo Bagueira, o deputado federal Chico D’Angelo, o deputado estadual Waldeck Carneiro, dezenas de integrantes do governo e vereadores.

Permanência

A solenidade de entrega do túnel foi também um evento político com vistas às eleições de 2018. Rodrigo Neves, por exemplo, deve continuar no Partido Verde. Pelo menos, por enquanto.

Até agora, ele não decidiu seu destino partidário e aguarda a melhoria do cenário político no estado e no país para tomar uma decisão. Caso resolva deixar o PV, o caminho dele poderá ser em direção ao PDT. O presidente do PDT em Niterói e Secretário de Participação Social, Miguel Vitoriano, não quis adiantar nada em relação à transferência de Rodrigo Neves para a legenda. Segundo Vitoriano, nenhuma tinha sido tomada até sábado o dia da solenidade.

A mesma resposta foi dada por Domício Mascarenhas, que já ocupou cargos no governo municipal e agora participa de articulações com vistas às eleições de 2018. “Até agora não há nada decidido”, garantiu. Domício revelou apenas que prepara a caminhada política de três candidatos à Câmara dos Deputados e outros três para Assembleia Legislativa.

Arrow
Arrow
Carros seguem para Charitas na primeira travessia oficial após a inauguração - Foto: Leonardo Simplício
ArrowArrow
Slider