O poema que morreu

Um assassinato.

Tudo indicava assim.

E o coitado do poema, estirado,

era coceira na curiosidade pública.

Chegou o delegado

– e cismado –

foi tecendo em pensamento

as inconstantes formas da dúvida.

Uma interrogação passeava ali.

Crescia e engordava

– proporcional –

a cada pessoa que parava

na pele da já recém formada

multidão.

Não demorou muito e apareceu o legista.

Ele era meio esquisito,

tinha tique nervoso

e coceira na vista.

Examinou o já lido poema

e constatou o consumado fato:

– Morrera de amor, não de infarto.

Suicídio? Assassinato ?

Quem faria o fatídico ato ?

– Quem ??? perguntava o delegado.

E com um ar sherloquiano

pegou o morto nas mãos.

Sob os olhos atentos da multidão

exclamou a primeira descoberta:

– Não era amador o assassino, era poeta!

“Poeta???” Indagou a multidão, incrédula.

– Poeta! Confirmou alisando o imeeeenso bigode.

Chegaram então os repórteres,

a lavadeira,

o bêbado ainda de porre,

a dona Julieta, o doutor Onofre,

e todos, do sul ao norte,

mastigavam a mesma pergunta:

“Um poeta, mas como é que pode?”

– Simples! – Explicou o delegado…

A tristeza, num homem apaixonado,

dói além do sustentável.

No peito, abre um buraco.

Tanto insiste

que não resta escapatória,

com o dedo em riste,

atrás da porta,

persiste o crime.

A arma utilizada

não foi revólver,

não foi faca.

Foi um sentimento amargurado

delineado no papel

por uma caneta esferográfica.

Já a paixão – continua –

foi a vítima,

de vez esquecida,

varrida,

morta.

Não é caso de polícia.

por aí morre um amor por dia,

é uma palavra prolixa, doída.

Dor nenhuma deve virar notícia,

fez bem o poeta em matar essa paixão. 

E terminou largando o poema no chão.

Seguiu em frente, sumiu na multidão

que por sua vez se desfez

com a mesma rapidez

que se formou.

Mas do vazio que ficou – dilacerado –

permaneceu solitário

um adolescente

com os olhos molhados

e uma caneta na mão.

Em passos lentos, assimilados,

aproximou-se do poema

no chão largado

e guardou no bolso

a história do amor

que minutos antes havia escrito,

e por qualquer descuido

perdido…​

5 COMENTÁRIOS

Comments are closed.