Volta às aulas: o perigo do peso das mochilas

 

De Marcos A. Bedin

Publicado em 18 de Fevereiro de 2017

O retorno das aulas traz, mais uma vez, a preocupação com o excesso de peso das mochilas. Dados mostram que muitas crianças carregam mais de 5 kg, bem acima do recomendado por especialistas, que é de até 10% do peso do estudante. Na maioria das vezes, as crianças nem percebem o excesso de esforço para levar as mochilas. Cabe aos pais orientá-los e fornecer mochilas com rodinhas, sempre que possível.

O problema de tudo isso é que o sobrepeso induz a má postura e pode causar dores nas costas e forçar as articulações de ombros, joelhos e tornozelos. “Muitas vezes, uma pequena imperfeição da coluna vertebral é agravada pelo acessório pesado. A prática clínica permite constatar que 40% dos estudantes sofrem com dores nas costas e nos ombros”, destaca o médico ortopedista e traumatologista Joaquim Reichmann. 

Além de mochilas adequadas, o diálogo entre pais e escola é considerado essencial para equacionar o problema. Algumas instituições têm adotado medidas que reduzem a quantidade diária de material transportado pelo aluno como, por exemplo, a disponibilização de armários, criando um sistema para que os livros pesados fiquem nas próprias salas de aula. “Esta é uma solução que contribui significativamente para minimizar o problema”, enfatiza Reichmann. 

As consequências causadas pelo excesso de peso não afetam somente jovens estudantes.  Os adultos também podem sofrer com o uso de mochilas ou bolsas pesadas demais e, nestes casos, as dores e tendinites nos ombros acompanham as dores nas costas. As mochilas tipo carteiro que os estudantes usam somente num lado do ombro são mais prejudiciais ainda, pois desequilibram a musculatura de um lado do corpo em relação ao outro. 

A solução desse problema passa por várias providências: diminuir o peso, ginástica especializada para corrigir má postura, mochilas com rodinhas, armários escolares para colocar materiais volumosos e pesados, entre outros. 

RECOMENDAÇÕES AOS PAIS: 

Conheça o peso ideal da mochila: O peso da mochila não pode ultrapassar 10% do peso da própria criança, ou seja, se ela pesa 40 kg, o material não pode ter mais de 4 kg.

Regule a altura correta da mochila: A mochila nunca deve ser maior do que as costas da criança, mas sempre ficar na altura do bumbum. Portanto, não afrouxe as alças.

Incentive para o uso das duas alças: Muitas pessoas, principalmente os adolescentes, têm o hábito de carregar as bolsas em um ombro só, por meio de uma alça. Está incorreto! A mochila deve ter três pontos de apoio: duas alças e uma tira que amarre na cintura, pois isso ajuda a distribuir o peso.

Compre mochilas sem muitos bolsos: Quanto menos bolsos, melhor, pois muitas vezes, quando ela tem vários compartimentos, as crianças acabam carregando mais material do que o necessário.

Opte por rodinhas: Caso seu filho tenha que carregar grande quantidade de materiais, o ideal é optar pelas mochilas de rodinha. Porém, a criança não deve se abaixar enquanto puxa a mochila. A alça deve estar à altura de seu punho. Dê preferência para as rodas mais largas por facilitarem a locomoção.