Pesquisa do SPC aponta nova queda na busca pelo crédito no país

Movimento segue muito fraco nas lojas
Movimento segue muito fraco nas lojas. Foto: Marcello Casal Jr/Ag Brasil

O número de consumidores em busca de crédito registrou uma nova queda em março. O levantamento foi divulgado nesta terça-feira, em São Paulo, pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). De acordo com o órgão, 58% dos consumidores não procuraram nenhuma forma de crédito. Feita em todo o país, a pesquisa demonstrou que para 44% dos entrevistados está difícil conseguir empréstimos ou financiamento, sendo que 20% tiveram crédito negado para fazer compras parceladas, quase a metade (9%) porque estavam inadimplentes.

De acordo com a pesquisa, o cartão de crédito foi a modalidade mais usada pelos 42% que utilizaram crédito em março, com menção de 37% dos consumidores. Já o crediário foi  referido por 12%, mesmo percentual dos cartões de loja (12%). Em seguida, aparece o cheque especial, com 6%.

Entre os usuários de cartão de credito, 42% disseram que não sabem quanto gastaram em março.

Os itens mais adquiridos foram alimentos (62%), remédios (49%), roupas (32%) e combustível (28%). Para o presidente do SPC Brasil Roque Pellizzaro Junior, o grande número de pessoas que se afastaram do crédito está relacionado ao cenário econômico ruim, aí incluídas as altas taxas de juros. “Com a inadimplência em patamar elevado, desemprego crescente e recessão, tanto bancos como financeiras têm restringido o crédito no mercado, o que dificulta a contratação por parte do consumidor. Além disso, as taxas de juros, ainda muito elevadas, acabam inibindo o apetite do consumidor na busca de recursos financeiros para fazer compras” disse ele.

Corte de gastos

A pesquisa mostrou ainda que 62% dos consumidores pretendem reduzir gastos em maio, enquanto 32% querem manter as despesas no mesmo patamar. Entre os que querem economizar, 24% disseram que tentam sempre gastar menos, 20% acham que os produtos estão mais caros e 15% disseram que estão endividados ao justificar a opção.

Apenas 15% dos consumidores disseram ter dinheiro sobrando para comprar ou investir, enquanto 43% revelaram que nem sobram, nem faltam recursos. Além disso, 34% não estão conseguindo pagar as contas com a renda atual. A pesquisa foi realizada em 12 capitais e ouviu 800 pessoas.