Petrobras anuncia redução nos preços dos combustíveis

A Petrobras anunciou a redução no preço médio nas refinarias em 5,4% para a gasolina e em 3,5% para o diesel. A decisão foi guiada por um aumento significativo nas importações no último mês, o que obrigou ajustes de competitividade da estatal no mercado interno. Conforme princípio da política em vigor, a participação de mercado é um dos componentes de análise considerado pelo Grupo Executivo de Mercado e Preços (GEMP).

Se o ajuste feito for integralmente repassado e não houver alterações nas demais parcelas que compõem o preço ao consumidor final, o diesel pode reduzir 2,2%, ou cerca de R$ 0,07 por litro, em média, e a gasolina, 2,4% ou R$ 0,09 por litro, em média.

A importação de gasolina por terceiros para o mercado interno aumentou de 240 mil metros cúbicos em fevereiro para 419 mil em abril, com previsão de manutenção em torno deste nível em maio. No diesel a importação saiu de 564 mil metros cúbicos em fevereiro para 811 mil em abril e previsão de mais de um milhão de metros cúbicos em maio. Com isso, as refinarias da Petrobras podem chegar a um fator de utilização abaixo do último dado divulgado pela companhia em seus resultados trimestrais, que foi de 77%.

 

Oscilação

Os fatores relacionados ao preço dos derivados no mercado internacional e a oscilação da moeda nacional também foram avaliados pelo GEMP. Os novos preços continuam com uma margem positiva em relação à paridade internacional, conforme princípio da política  nunciada, e estão alinhados com os objetivos do Plano de Negócios da companhia para o período 2017/2021.

O comitê executivo avaliou ainda que a política de preços com correções pelo menos mensais, embora um avanço significativo em relação ao sistema anterior, não tem refletido as volatilidades de preços internacionais de derivados e câmbio entre as datas dos reajustes, fato agravado pelo acréscimo recente na variação da taxa de câmbio. Esta constatação tem crescentemente sido parte das discussões do GEMP e pode fundamentar aumentos na frequência dos ajustes de preços.

Segundo a Petrobras, a lei brasileira garante liberdade de preços no mercado de combustíveis e derivados. Com isso, as revisões feitas nas refinarias podem ou não se refletir no preço final ao consumidor. Isso depende de repasses feitos por outros integrantes da cadeia de combustíveis, especialmente distribuidoras e postos revendedores.