Prefeitura do Rio lança programa de emprego e educação para transexuais

Por ASCOM Rio

A Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual (CEDS Rio) lança, nesta terça-feira (30/05), o projeto social “Trans+Respeito”. O evento acontecerá no Museu do Amanhã, que apoia o projeto e, recentemente, incorporou transexuais em sua equipe de recepcionistas. Desenvolvido pela CEDS-Rio em parceria com a Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (SMASDH), o programa tem como mote um plano de educação e formação profissional para homens e mulheres trans. O Brasil é o país no mundo que mais registra assassinatos de transexuais e, 79% evadem da escola, antes mesmo da formação básica, é um grupo social dos mais vulneráveis já que a expectativa de vida não passa dos 30 anos.

Para marcar o lançamento do projeto, um coquetel organizado para 200 convidados terá como como mestres de cerimônia os servidores transexuais da prefeitura Jordhan Lessa (Guarda Municipal) e Beatriz Cordeiro (CEDS). Além disso, o evento reunirá representantes do governo, personalidades da mídia, líderes dos movimentos sociais LGBT, militantes da causa gay e trans, representantes de órgãos dos direitos humanos ligados a diversidade, ONGs, e grupos culturais LGBTQIA (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais, Queer, Intersexuais e Assexuais).

Segundo o coordenador especial da Diversidade Sexual, Nélio Geogini, ações como esta trazem grande visibilidade para a população transexual:

– Eles estiveram por muito tempo à margem da sociedade, chegou a hora de mudar, desconstruir. Como exemplo, fechamos uma parceria com uma rede de supermercados e já encaminhamos mais de 20 transexuais para os processos seletivos, locais estes onde o nome social será respeitado e o uso do banheiro de acordo com a identidade de gênero, conta. Além disso, oferecemos workshops para os funcionários dessas empresas com intuito de desmistificar a pauta trans. A iniciativa do Museu do Amanhã é exemplar.

A secretária municipal de Assistência Social e Direitos Humaos, Teresa Bergher, falou sobre a importância de contemplar todas as minorias:

– Precisamos apoiar as políticas públicas voltadas para a população LGBTT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transgêneros). Através da secretaria, liberamos a verba para oferecer o período de formação e estágio, que inclui uma bolsa auxílio de um salário- mínimo, passagem e alimentação para os alunos e alunas trans.

Madrinha do projeto “Cultura+Diversidade”, a secretária municipal de Cultura, Nilcemar Nogueira, fechou uma cooperação com a Coordenadoria Especial para buscar oportunidades de inserção profissional nos espaços culturais do Município para os homens e mulheres transexuais.

– É importante a máquina pública servir como exemplo, dessa forma, chamamos a atenção da iniciativa privada para que também ofereçam oportunidades – explicou Nilcemar.

Para o diretor-presidente do Museu do Amanhã, Ricardo Piquet, a convivência é um dos principais pilares éticos do equipamento cultural:

– Isso se reproduz na forma como incentivamos o debate sobre a importância da integração e a riqueza do convívio entre pessoas com diferentes vivências e histórias para contar. Respeitar as diferenças e aprender com a diversidade é não apenas uma forma de enxergar a vida, mas também um dever e uma responsabilidade social de toda organização que pensa o amanhã de maneira positiva.

O evento desta terça-feira será animado pela Orquestra Sinfônica da Guarda Municipal, Drags Queens e DJs.