Presos políticos palestinos em Israel ignorados pela mídia comercial conservadora seguem em greve de fome

Mário Augusto Jakobskind - Arte Rafael Sarrasqueiro
E os presos políticos palestinos, que são tratados de forma cruel pelo Estado de Israel seguem em greve de fome. Estão denunciando ao mundo o desrespeito aos direitos humanos a que estão sendo submetidos. O que deve ser denunciado é o silêncio da mídia comercial conservadora sobre o que acontece e já totaliza 20 dias de greve de fome.
O protesto cresce e continua e como respostas de Israel ocorrem transferências de prisões e líderes palestinos são colocados em celas solitárias e com o agravante da proibição imposta às visitas de familiares dos presos.
Os presos em greve de fome só exigem dignidade, o fim da prisão administrativa e sem culpa formada ou julgamento.
É o que em várias partes do mundo exigem os movimentos em defesa dos direitos humanos, uma conquista da civilização e que deveria vigorar em todos os países neste século XXI.
A mídia comercial conservadora nos mais variados quadrantes informou sobre o encontro ocorrido na Casa Branca entre Donald Trump e o dirigente palestino Mohamed Abas, mas omitiram a greve de fome que já tinha se iniciado.
Trump tem visita marcada para a Arábia Saudita e Israel, dois países que não primam pelo respeito aos direitos humanos, mas são aliadíssimos de Washington. Trump já é considerado um dos governantes estadunidenses mais próximos do governo israelense, capitaneado neste momento por Benyamin Netanyahu, um belicista que tem se posicionado contra a criação do Estado Palestino. E o tempo vai passando e Israel segue com seus assentamentos em territórios palestinos, com o apoio integral de Netanyahu, o que na prática inviabiliza a criação do Estado Palestino.
Trump pode ordenar a qualquer momento a transferência da Embaixada dos Estados Unidos de Tel Aviv para Jerusalém, o que agravaria a situação na região, já que a cidade mencionada é também reivindicada pelos palestinos. Mas Israel não abre mão de que Jerusalém seja a capital israelense e isso com base em preceitos religiosos, ignorando solenemente o posicionamento de religiões como a islâmica e cristã.
É nesse contexto que ocorrem fatos relevantes e que são omitidos por jornalões e telejornalões em várias partes do mundo, não apenas do Brasil.
Sendo assim, a cada dia que passa fica mais difícil o fim do estado de beligerância que se prolonga várias décadas naquela região do mundo.

Alguns analistas já admitem que com a intransigência de Israel, fica cada vez mais difícil a paz e até mesmo a criação de um Estado Palestino, condição fundamental para se alcançar a paz. E se a paz não chegar, como indicam os fatos atuais, o mundo continuará assistindo passivamente a continuidade do banho de sangue que se prolonga há muito tempo