Primeiro ciclone subtropical do Outono entre o Sul e Sudeste

A semana passada começou com uma anomalia no oceano Atlântico que foi acompanhada desde os dias 05, 06 e 07 de maio, quando formou um cavado na costa do RJ e não evoluiu, permanecendo como um centro de baixa pressão próximo à costa que causou chuvas fracas e ventos costeiros moderados.

Durante esta semana, a formação da Depressão Subtropical Adrian entre a costa da Nicarágua e Guatemala observada desde 09/05 e nomeada pela agência NOAA (South Atlantic Tropical Services) estava alimentando as baixas pressões na Amazônia.

O mar de incertezas permanece devido a localização e projeções dos modelos americanos, europeus e brasileiros. Apesar do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) ter admitido na tarde de hoje, (13/05), um centro de baixa pressão com características subtropicais e núcleo de 1020 hPa em aproximadamente 34°S/35°W. Acredita-se que poderá ser considerado talvez como subtropical na madrugada de sábado para domingo, (14/05), com 987/985 hPa e um centro bem fechado.

Modelos GFS – Subtropical 14/05/2017

Ciclone de características subtropicais são mais propensos a se formarem no verão. O Outono está produzindo essa anomalia que poderá ser nomeada como “Guará”, uma vez que é uma baixa pressão bem organizada e concêntrica. Ressalta-se que a Marinha do Brasil, órgão responsável pela Bacia, poderá nomeá-lo ou não. No dia 04/12/16, foi nomeada a Tempestade Subtropical Eçaí que causou transtornos entre os estados de SC e PR, com tempestades severas associadas às linhas de instabilidade.

Vale lembrar que a Depressão Subtropical que atingiu a costa de SP e RJ no dia (21/08/16), final da Olimpíada do Rio, não foi nomeada pela Marinha do Brasil, mas ocasionou transtornos à população de SP, com forte ressaca na região litorânea, ondas de até 6.00 metros e vendavais de até 170 km/h, conforme bastante noticiado.

INPE-TSM
Temperatura de Superfície do Mar

Segundo as observações nas cartas sinóticas da NOAA, GFS, ECMWF e INPE  existem chances deste sistema de baixa pressão ganhar características subtropicais sobre o Sudeste ( PR, SP e RJ), devido a TSM em 24º graus. Este ciclone subtropical, conforme descrição publicada no site do INPE, neste sábado, 13/05, poderá provocar linhas de instabilidade que são conhecidas como SCM (sistema convectivo mesoescala) ou CCM (complexo convectivo meso-escala), que são aglomerados de nuvens do tipo Cumulonimbus, de dezenas ou centenas de quilômetros de extensão. Existe chance para formação de “tornados” devido a atmosfera ciclônica e mar de ressaca com ondas de até 6.00 metros (área bravo) e até 4.00 metros (área Charlie).

NOAA
(South Atlantic Tropical Services)

Avisos Meteorológicos – INMET – válido até 14/05

Aviso de (perigo potencial) para 414 municípios do RS:

Encosta do Sudeste, Serra do Sudeste, Depressão Central, Encosta Inferior do Nordeste, Encosta Superior do Nordeste, Campos de Cima da Serra, Planalto Médio, Missões, Alto Uruguai, Litoral Gaúcho.

– Risco de queda de galhos de árvores e leves alagamentos, pequenos estragos. Ventos entre 11 e 16 m/s (40 e 60 Km/h), Chuvas Intensas entre 20 e 30 mm/h ou até 50 mm/dia e granizo.

Instruções:

– Abrigue-se da chuva torrencial que poderá estar acompanhada de granizo e causar inundações.
– Não se abrigue debaixo de árvores, nem em frágeis coberturas metálicas, pois há riscos de quedas.
– Desligue aparelhos elétricos, quadro geral de energia e o gás.
– Coloque documentos e objetos de valor em sacos plásticos bem fechados e em local protegido.
– Revise a resistência da sua casa, principalmente o madeiramento de apoio do telhado.
– Não estacione veículos próximos a torres de transmissão e placas de propaganda (risco de queda pelo vento).
– Obtenha mais informações junto à Defesa Civil (telefone 199) e ao Corpo de Bombeiros (telefone 193).

Avisos Meteorológicos – INMET – válido até 15/05

Perigo potencial para queda de galhos de árvores. Vento variando entre 40 km/ e 60 km/h.

Área afetadas para 693 municípios de SP e MS:

Leste Sul-Mato-Grossense, Campinas, Bauru/Araraquara/Piracicaba, Itapetininga, Ribeirão Preto, Araçatuba/São José Do Rio Preto, Sorocaba/Bragança Paulista, Vale do Paraíba/Litoral Norte, Metropolitana de São Paulo, Litoral Sul/Baixada Santista/Vale do Ribeira, Presidente Prudente/Marília/Assis, Sul e Sudoeste Sul-Mato-Grossense, Pantanal Sul-Mato-Grossense, Centro Norte Sul-Mato-Grossense, Serra da Mantiqueira.

Predição dos modelos para a semana no Rio de Janeiro:

Uma semana de ciclones subtropicais/extratropicais que vão atuar trazendo várias baixas pressões do continente e frentes frias (extratropical), com força, e que poderão causar chuvas fortes. Atenção para as próximas quarta e quinta-feira, (17 e 18/05).

Domingo, (14/05) – As incertezas sobre o ciclone feitas durante a semana parece que se confirmam e a baixa pressão entre PR e SP, com 999 hPa, dará origem a um ciclone de características subtropicais fora de época até à noite, com risco de ocasionar ventos costeiros muito fortes, de até 100 km/h, entre SC, PR, SP e RJ, com possibilidade de chuva forte, descargas elétricas e eventual queda de granizo no final da tarde.

Segunda-feira, (15/05) – Linhas de instabilidade associadas ao ciclone subtropical manterão riscos de tempestades a qualquer hora do dia. Tempo encoberto com chuvas esparsas de moderada a forte. Queda das temperaturas.

Terça-feira, (16/05) – Tempo mais aberto. Maiores chances de chuva fraca na região costeira devido aos ventos úmidos associados ao ciclone extratropical em alto mar e afastado da costa.

======= Atenção =======

Quarta-feira, (17/05) – Instável gradualmente abrindo até a tarde. O desenvolvimento de instabilidades em SP e MG, associadas à nova formação de um ciclone extratropical no Atlântico, poderá trazer chuvas muito fortes e generalizadas no final da tarde e à noite. Essa chuva pode causar enchentes e deslizamentos (existem algumas divergências nos modelos para este cenário).

Quinta-feira, (18/05) – Alto risco de dilúvio até o fim da manhã, depois novamente ventos úmidos do oceano mantém a instabilidade do tempo. Nova baixa pressão sobre o Sudeste poderá causar tempestades severas acompanhas de descargas elétricas, vendavais de 100 km/h, queda de granizo associada a formação de outro ciclone extratropical na Argentina (divergência nos modelos).

Sexta-feira, (19/05) – Tempo instável com ventos úmidos do oceano podem causar pancadas de chuva forte principalmente na região da Costa Verde, Baixada e Serrana devido a baixa pressão sobre MG próximo à divisa do RJ (divergência nos modelos).

Sábado, (20/05) – Volta a esquentar, mas ainda com muitas nuvens. Um novo forte centro depressionário formará outra forte frente-fria (ciclone extratropical) e novos temporais são possíveis à tarde ou à noite;

Domingo, (21/05) – Muito instável devido ao centro depressionário na Argentina (divergências). O ar polar atrás dessa frente-fria é forte e derruba temperaturas no sul do Brasil. Esse ar polar poderia vir ao RJ na semana seguinte, mas fica a confirmar.

Colaboração do prof. Douglas V. O. Lessa Paleontólogo do Clima.

Fonte de pesquisa NOAA (South Atlantic Tropical Services), GFS europeu, Windyty, INMET, INPE e Marinha do Brasil!

1 COMENTÁRIO

Comments are closed.