Startups podem transformar uma cadeia produtiva

Rudinei Gerhart fará a terceira palestra do evento

Marcos Bedin-SC

Associação Polo Tecnológico do Oeste Catarinense (Deatec) promove, no dia 30 de maio, a partir das 13h30, no auditório do Sicoob MaxiCrédito (avenida Getúlio Vargas, 2553 N, em Chapecó), o 1º Deatec Summit, um evento criado para estimular a atualização e integração dos membros do ecossistema da tecnologia e da inovação. O evento tem apoio institucional do Sicoob, Meu Plano, Unochapecó, Elo Ideias, Optidata e Acessoline.

O 1º Deatec Summit contará com cinco palestras. Às 16 horas, o administrador Rudinei Gerhart explanará sobre o tema “Startups #Empreendedorismo de alto impacto”. A proposta é discutir como os negócios de alto impacto transformam uma cadeia produtiva. “Abordaremos como aplicativos, plataformas e novas ferramentas (SaaS, Haas) auxiliam as pessoas, mudam a experiência de consumo e, principalmente, contribuem significativamente para o desenvolvimento regional”, relata Gerhart.

De acordo com o palestrante, não há um inventário oficial do número de startups em Chapecó. “Estimamos que há menos de uma centena. Mesmo na consulta em organizações que tem maior proximidade com esse ecossistema, resiste a dificuldade de oficializar esses dados, afinal startup é apenas ‘um apelido’ para um novo empreendimento”. Gerhart explica que nem todo novo empreendimento pode ser considerado uma startup, mas toda startup deve partir de um novo empreendimento. “O conceito de startup é um grupo de pessoas em busca de um modelo de negócios repetível e escalável, trabalhando em condições de extrema incerteza. Quando esse negócio dá certo, a escala permite uma decolagem astronômica e, por isso, a categorização de negócios de alto impacto”, esclarece.

Desde os primeiros passos as startups precisam se constituir com uma personalidade jurídica. A principal diferença em relação a empresas tradicionais é que, em essência, são movidas por um propósito. “Outro detalhe é que uma startup trabalha para desconstruir. Isso é conhecido como disrupção tecnológica, ou seja, quebram-se padrões e paradigmas para se implementar um novo design, um novo processo e um novo método ou componente que permitam melhorar a experiência de uso”, frisa Gerhart.

Para o especialista, Chapecó tem por vocação o empreendedorismo. “Ainda não somos reconhecidos como ‘hightechs’, mas temos grandes empresas na área de desenvolvimento tecnológico. Temos uma matriz econômica de relevante importância e somos reconhecidamente um dos maiores produtores de proteína animal do mundo”, observa. De acordo com Gerhart, o primeiro passo para que o município se torne um núcleo de desenvolvimento tecnológico é formar um ambiente que favoreça o surgimento de mais startups. Para isso, é necessário o engajamento dos diferentes atores do mercado, como governo, entidades de ensino e pesquisa, empresas tradicionais, agentes de capital, empreendedores e entidades como incubadoras e aceleradoras. “Isso forma um ecossistema que permite o desenvolvimento dessa modalidade de negócios.

Esse ecossistema não tem um dono e, por isso, é preciso que o envolvimento seja de todos em torno do mesmo propósito. Assim, é possível atrair mais pessoas, recursos, agentes, ideias, negócios e prosperidade”, finaliza.

Rudinei Gerhart é graduado em Administração  pela Unoesc, especialista em Economia e Estratégia pela Unochapecó e mestre em Administração e Estratégia de Negócios pela Universidad Nacional de Misiones (UNAM), Argentina. Desenvolveu atividades na área de telecomunicações por 15 anos e atualmente é empresário na área de tecnologia da informação e telecomunicações, sendo sócio-proprietário da empresa Meu Plano. É diretor de Startups da Deatec.

1º DEATEC SUMMIT

O 1º Deatec Summit contará com cinco palestras com especialistas nas suas áreas de atuação que provocarão os participantes a pensar além de suas empresas. O evento proporcionará momentos de confraternização, troca de experiências e uma rede de network. De acordo com o presidente da Deatec, André Telöcken, a intenção é desenvolver atividades que promovam o entrosamento do público de tecnologia e inovação do polo oeste, estimulando o relacionamento, troca de ideias, o crescimento e o desenvolvimento do setor.

O investimento para participar é de R$ 50,00 para ingresso individual ou R$ 180,00 para quatro ingressos. As vagas são limitadas e as inscrições podem ser feitas no site www.deatec.org.br. Mais informações pelo telefone (49) 3324-4342.