Tempestade tropical Harvey e novo landfall sobre a costa de Houston

No final da tarde desta segunda-feira, (28/08), a tempestade tropical Harvey voltou para o Golfo do México e há chance para um novo landfall sobre Houston, que provocará novas tempestades intensas. Essas tempestades poderão causar chuvas torrenciais. As chuvas mais pesadas do Harvey caíram pela fronteira de Louisiana/Texas, onde uma intensa faixa de tempestades pesadas foram alimentadas pela umidade do Golfo, trazendo chuva em excesso por 12 horas, segundo as estações meteorológicas de Beaumont, Texas. As precipitações na Louisiana ocidental e central de 4 a 8 polegadas foram comuns, da meia-noite ao meio-dia de segunda-feira.

As imagens de satélite GOES-16, vapor de água de nível médio, mostram a Tempestade Tropical Harvey nesta segunda-feira, (28/08). Observa-se como a atividade da tempestade pesada (convecção) perto do centro do Harvey aumentou depois que o centro se mudou para o exterior. A tempestade ainda tem uma grande quantidade de ar seco em torno dele.  Crédito da imagem: NASA.

Precipitação recorde
Foram previstos pelos modelos na semana passada uma quantidade de chuvas para Houston cerca de 15 a 25 polegadas, com algumas chances de até 40 polegadas e foram emitidos os alertas de “chuvas catastróficas”, mas a avaliação foi baixa diante das projeções desta semana.

Modelo GFS, válido até (31/08)

Segundo os estudos da meteorologia, “Landfall” é quando um ciclone tropical (furacões, tempestades ciclônicas/tufões) move-se sobre a terra depois de estar sobre a água. Os ciclones tropicais são classificados quando seu olho atinge a terra. Os ventos mais fortes são encontrados na parede do olho, onde o pico de elevação da maré de tempestade e as chuvas mais fortes provocam os maiores impactos e dias depois dissipam.

É exatamente o que acontece em Houston! A cidade está no meio de um mega desastre na escala, ultrapassando o Sandy e o Katrina, ocorridos nas últimas décadas. Os danos causados ​​por Harvey, sem dúvida, correrão para as dezenas de bilhões de dólares, tornando as chuvas mais destrutivas já causadas por um furacão.

Nos últimos três dias, as tempestades associadas ao Harvey chegaram a  cerca de 991 mm, conforme divulgado pela NOAA/NWS /WPC. O registro oficial da área de Houston é mantido no Bush Intercontinental Airport, bem ao norte do centro da cidade. Mesmo lá, parece que um novo registro de 24 horas foi definido, de acordo com o historiador do clima, Christopher Burt, que calculou um total preliminar de 18,10″ entre às 9:53 da tarde de sábado (26/08), às 9:53 na tarde de domingo. Se confirmado, isso superaria o recorde anterior para qualquer período de 24 horas. Em agosto de 1945, Houston registrou 16,07″ (408,178 mm). Em agosto de 2017, Houston foi mais longe com 32,68″ (830,072 mm) até domingo, batendo o recorde de 22,31″ (566,674 mm) de outubro de 1949.

Um número de quantidades de precipitação de até 30″ (762 mm) foram relatados, principalmente em toda a área metropolitana: 39,72″ (1009 mm) em Dayton, 34,90″ (886 mm) em Waller, 31,56″ (801,624 mm) em Berry B Forest Oaks, 30,90″ (784,86 mm) em Brookshire, 30,32″ (770,128 mm) em Sul de Houston, 30,25″ (768,35 mm) em Santa Fé.

Nas ultimas 12 horas desta segunda-feira (28/08), pelo menos oito estações meteorológicas na área registraram chuvas acima de 30″ (762 mm) e duas delas tiveram quantidades de precipitação superiores a 40″ (1016 mm). Os números apresentados abaixo são o total de tempestades das últimas 60 horas, desde sábado, (26/08) e até segunda-feira, (28/08). O mais provável que algum local do Texas quebre o recorde de todos os tempos para a precipitação nos EUA de um ciclone tropical ou dissipação de 48,00″ (1219,2 mm) desde a Tempestade Tropical Amelia de 1978.

41.77 “, 3.77”, 29.96 “, 8.04”: Baytown, TX (Country Club Oaks )
40.25 “, 4.26”, 29.87 “, 6.12”: Dayton, TX (Winter Valley)
39.12 “, 2.93”, 25.97 “, 10.22” : La Porte, TX (Westend LaPorte / SJJC)
37,57 “, 2,52”, 29,88 “, 5,17”: Baytown, TX (Eastpoint)
37,25 “, 3,91”, 27,44 “, 5,90: Dayton, TX (Brookstone)
37,04”, 2,04 “, 25.04”, 10.46 “: League City, TX (South League City)
33.52”, 1.52 “, 23.73”, 8.27 “: Seabrook, TX (Baybrook)
32.05”, 1.85 “, 25.47”, 4.73 “: Baytown, TX (Chaparral Village)

Crédito de imagem: NOAA / NWS / AHPS

Dois dos reservatórios do centro de Houston tem feito aberturas das comportas de maneira controlada ao longo dos dias. Na segunda-feira à tarde,  planejaram liberar 4000 pés cúbicos por segundo de cada um dos dois reservatórios, que é metade da taxa de liberação máxima de 8000 cfs por reservatório. Esses lançamentos irão exacerbar as inundações ao longo de Buffalo Bayou, onde a água diminuiu ligeiramente no meio dia de segunda-feira. O reservatório atingiu uma crista recorde de 69,92 pés cerca de (21311,616 mm³) no domingo à noite em West Bend, batendo o recorde de 68,37 pés de 18 de Agosto de 1983, (furacão Alicia). Apenas a oeste do centro da cidade, em Shepherd Drive, a crista do reservatório de 38,78 pés estava em quarto lugar atrás das inundações em 1929, 1935 e 2001.

Muitas casas  se encontram perto dos lados ocidentais dos reservatórios Addicks e Barker. Apesar da liberação controlada acelerada, a água ainda estará acumulando mais rápido nos dois reservatórios do que está drenando. No início da segunda-feira , os reservatórios tinham aumentando a mais de 4 polegadas por hora. Isso significa que a inundação agora está começando a se expandir, a oeste das bordas dos reservatórios em direção a várias áreas residenciais, onde os residentes estavam sob alertas de evacuação não obrigatórios. Muitos estavam relutando para sair de suas casas na segunda-feira, enquanto a água aumentava. Como o reservatório deve ser drenado de um a três meses após Harvey, os órgãos avisam que as casas localizadas por trás do reservatório poderão ser inundadas por um longo período de tempo.

As duas barragens de barro foram construídas há cerca de 70 anos atrás, em uma parte rural dos condados de Harris e Fort Bend, que desde então tem visto um crescimento explosivo, permitindo que a água flua mais livremente sobre a paisagem pavimentada. As barragens estão agora no meio de um projeto de reparação e restauração de três anos e custo de US$ 75 milhões. Como os reservatórios estavam vazios ou em grande parte vazios, as barragens experimentaram uma seqüência de tensões cada vez mais freqüentes devido ao aumento do desenvolvimento e aos eventos de precipitação mais extremos na área de Houston. Em 2009, a USACE (US Army Corps of Engineers) classificou as barragens Addicks e Barker como sendo “extremamente de alto risco de falha catastrófica”. Conforme relatado no Houston Chronicle no ano passado, “Se as barragens falharem, a metade de Houston ficará debaixo d’água”.

Fonte de pesquisa: NOAA/NWS National Hurricane Center, GFS europeu e modelo UKMET.