Universidade promove Hackathon para profissionais das

Do Solidário, por Paulo Araújo

Publicado em 25 de Fevereiro de 2017

O pré- carnaval dos “nerds” começou na Universidade Castelo Branco do Centro Rio de Janeiro, uma semana antes da festa de Momo, só que ao invés de sons de bateria, sambas, e marchinhas carnavalescas, equipes formadas por profissionais de áreas diversas, se reuniram para disputar o Hackathon Castelo de Soluções, que é um desafio voltado para engenheiros, programadores, designers, profissionais da saúde e educação, que aconteceu durante o final de semana passado, com o objetivo, dos participantes, desenvolverem soluções que trouxessem benefícios na área de saúde e prevenção de doenças e acidentes domésticos. 

Hackathon Castelo de Soluções teve como tema “Saúde“. O objetivo da competição foi criarem projetos, que trouxessem soluções para a área de saúde, prevenção de doenças, e acidentes domésticos. Foram aceitas soluções que utilizaram qualquer meio de informática ou físico bem como a utilização de microcontroladores, internet das coisas e interface homem-máquina e EaD. Cada participante pôde levar suas próprias ferramentas de trabalho pessoal – tablet, smartphone, notebook, componentes eletrônicos diversos, alicates, osciloscópio, multímetro, dentre outros equipamentos. No decorrer dos trabalhos, os membros de cada equipe puderam que se reversar, para dormir, e sair das salas de trabalho, para comprar materiais de trabalho.

A organização da competição foi realizada pela Universidade Castelo Branco, Campus Centro do Rio de Janeiro. Durante a disputa, foi permitida a utilização de dados externos, obtidos a partir da internet ou em redes sociais, desde que estes fossem legais ou que não violassem direitos de terceiros. Não foram aceitos projetos prontos ou que já estivessem sido iniciados antes do começo oficial do evento.

O grupo vencedor recebeu a quantia de Mil Reais, além de ajuda na elaboração de um plano de negócios, treinamento empresarial e coaching, bem como a possibilidade de ter seu projeto incubado pela Universidade Castelo Branco. Segundo o líder do projeto Fight for Life – F4L, Vicente Orsini, a maior dificuldade foi a primeira fase, durante a apresentação das ideias.”tivemos mais dificuldade foi na parte inicial do Hackathon, no brainstorm, tivemos várias ideias, e aí nós já estávamos com algumas prontas, mas de repente começamos a pensar “ah vamos fazer isso, é diferente, pode ser uma bactéria específica”, e aí nós prosseguimos com o projeto dessa forma”, revelou.

A equipe campeã pretende dar continuidade ao projeto.” esse coaching vai nos ajudar muito a evoluir essa nossa ideia e quem sabe a gente realmente não caia no mercado, em universidades públicas, faculdades como até mesmo essa Universidade que abriu esse caminho para a gente agora”, põe fé Orsini.

O líder da equipe afirmou que, o ponto alto da equipe foi a convivência, e a troca de experiências. “A nossa convivência foi muito boa, um completa o outro, um é design, outro programador, e no decorrer da competição, fomos nos completando e formando o produto”, finalizou.

O segundo lugar ficou com o projeto Knowledge Adventure, em que a equipe elaborou um jogo de tabuleiro para EaD, e faturaram a premiação de Quinhentos Reais. E o terceiro lugar, não teve premio em dinheiro, e foi dado ao projeto H.Double.R, cuja equipe criou um sistema de reconhecimento facial para evitar cola nas provas de EaD. Estes receberam como prêmio uma placa da Universidade, pela conquista.

Hackathon UCB