ZCAS (Zona de Convergência do Atlântico Sul) se intensifica no Sudeste

Os modelos indicam a chegada de uma primavera com cara de verão para o Rio de Janeiro devido as altas temperaturas por influência da ASAS (Alta Subtropical do Atlântico Sul), que tem atuado nas últimas semanas em até 1038 hPa, demonstrado grande influência nos últimos meses principalmente nos estados do Sudeste. As temperaturas devem permanecer na casa dos 40°C graus, inicialmente.

Novo centro de baixa pressão, (21/10), se formará localizado na costa do RS juntamente com a presença de um cavado na média troposfera em 500 hPa, que provocará condições para pancadas de chuva localmente forte, com rajadas de ventos, queda de granizo e descargas elétricas sobre as regiões entre o Sul e Sudeste do Brasil, associado à ZCAS (Zona de Convergência do Atlântico Sul).

Existe a possibilidade de baixas pressões ocasionarem (tempestades severas) com possíveis transtornos às populações do Sudeste, entre os dia 21 a 25/10, devido aos grandes volumes de chuvas, segundo a publicação do INPE na tarde de ontem. Mesmo assim, existe algumas divergências dos modelos GFS quanto a origem do canal de umidade, (ZCAS/ZCOU). Neste sábado, os ventos fortes estarão trazendo um pouco mais de frescor devido ao cavado de média troposfera, dando origem ao ciclone extratropical que está se formando na costa de SC e RS durante a madrugada.

Segunda rodada para a metade do mês de Outubro e Novembro. O que mais chama atenção é a quantidade de baixas pressões em plena primavera e podem dar origem há vários sistemas como extratropicais/subtropicais no oceano. Algumas destas podem ser de características subtropicais e deveriam formar no verão entre Janeiro e Fevereiro, quando o mar está mais quente e estão formando na primavera contrariando as perspectivas conforme as projeções dos modelos GFS, NOAA, GEM, NAVAGEM e CMC.

 

A Zona de Convergência formará neste domingo, 22/10, associada a frente fria que se deslocará em direção ao Estado de SP, chegando no fim do dia no RJ. Favorecendo para o primeiro episódio da formação da (ZCAS) nesta estação. Novas áreas de instabilidade deverão se alinhar entre a região Norte, Centro-Oeste e Sudeste. Entre SC e o sul do PR ainda ocorrerá chuva ao longo do dia. No norte e leste do RS a chuva diminuirá gradativamente. Nas demais áreas do Estado o sol aparecerá com diminuição de nebulosidade.

Modelos GFS indicam a formação da
ZCAS (Zona de Convergência do Atlântico Sul).

INMET- CHUVAS INTENSAS

Área afetada para 1048 municípios do RS, SC e PR:
Planalto Norte Catarinense, Campanha, Metropolitana de Curitiba, Oeste Catarinense, Vale do Itajaí, Grande Florianópolis, Planalto Sul Catarinense, Litoral Sul Catarinense, Depressão Central, Encosta Inferior do Nordeste, Encosta Superior do Nordeste, Campos de Cima da Serra, Planalto Médio, Missões, Alto Uruguai, Central Paranaense, Litoral Paranaense, Norte Paranaense, Oeste Paranaense, Sudoeste Paranaense, Sul Paranaense, Litoral Gaúcho, Meio-Oeste Catarinense, Litoral Norte Catarinense;

Área afetada para 81 municípios de MS:
Leste Sul-Mato-Grossense, Presidente Prudente/Marília/Assis, Sul e Sudoeste Sul-Mato-Grossense, Pantanal Sul-Mato-Grossense;

Área afetada para 64 municípios do RJ, ventos costeiros:
Costa Verde, Baixadas Litorâneas, Metropolitana do Rio De Janeiro, Norte Fluminense, Médio Paraíba, Serrana Fluminense, Litoral Sul Capixaba, Central Sul/Caparaó Capixaba.

Área afetada para 293 municípios de SP e MS:
Leste Sul-Mato-Grossense, Bauru/Araraquara/Piracicaba, Ribeirão Preto, Araçatuba/São José do Rio Preto, Presidente Prudente/Marília/Assis, Sul e Sudoeste Sul-Mato-Grossense, Pantanal Sul-Mato-Grossense, Centro Norte Sul-Mato-Grossense;

Área afetada para 142 municípios de MG:
Zona da Mata Mineira, Campo das Vertentes de Minas, Sul/Sudoeste Mineiro;

Risco potenciais: Modelos INMET e GFS
Chuvas entre 20 e 30 mm/h ou até 50/100 mm/dia, ventos intensos (60 a 100 km/h) e queda de granizo. Risco para corte de energia elétrica, estragos em plantações, queda de galhos de árvores e de alagamentos.

A cidade do RJ não está marcada e muito menos são mencionados os riscos com relação à formação da ZCAS (Zona de Convergência do Atlântico Sul), que poderá contribuir para acumulados expressivos sobre a cidade, principalmente entre a região Serra da Mantiqueira e Serrana. Diante desta situação, quais serão as providências que os órgãos tomarão com relação às áreas de risco existentes no Estado?

Instruções:
– Não se abrigue debaixo de árvores, pois há riscos de quedas.
– Desligue aparelhos elétricos, quadro geral de energia.
– Coloque documentos e objetos de valor em sacos plásticos bem fechados em local protegido.
– Revise a resistência da sua casa, principalmente o madeiramento de apoio do telhado.
– Não estacione veículos próximos a torres de transmissão e placas de propaganda (risco de queda pelo vento).
– Obtenha mais informações junto à Defesa Civil (telefone 199) e ao Corpo de Bombeiros (telefone 193).

AVISO DE RESSACA, MARINHA DO BRASIL:

ÁREA BRAVO
AVISO NR 1176/2017
AVISO DE VENTO FORTE
EMITIDO AS 1400 HMG-SEX, 20/OUT/2017
AREA BRAVO A LESTE DE 042W
E AREA DELTA AO SUL DE 20S E OESTE DE 030W
A PARTIR DE 211200 HMG.
VENTO NE/N FORÇA 7 COM RAJADAS 8/9.
VALIDO ATE 230000 HMG.

AVISO NR 1177/2017
AVISO DE VENTO FORTE/MUITO FORTE
EMITIDO AS 1400 HMG-SEX, 20/OUT/2017
AREA ALFA E AREA BRAVO AO SUL DE 28S
A PARTIR DE 220000 HMG. VENTO NW/SW FORÇA 7/8 COM RAJADAS 9.
VALIDO ATE 231200 HMG.

AVISO NR 1182/2017
AVISO DE MAR GROSSO/MUITO GROSSO
EMITIDO AS 1400 HMG – SEX – 20/OUT/2017
AREA BRAVO A PARTIR DE 220000 HMG.
ONDAS DE NE PASSANDO SW/S 3.0/5.0 METROS.
VALIDO ATE 240000 HMG.

ÁREA CHARLIE
AVISO NR 1178/2017
AVISO DE VENTO FORTE
EMITIDO AS 1400 HMG – SEX – 20/OUT/2017
AREA CHARLIE AO SUL DE 26S A PARTIR DE 220000 HMG.
VENTO NW/SW FORÇA 7 COM RAJADAS.
VALIDO ATE 230000 HMG.

AVISO NR 1183/2017
AVISO DE MAR GROSSO
EMITIDO AS 1400 HMG-SEX, 20/OUT/2017
AREA CHARLIE A PARTIR DE 221200 HMG.
ONDAS DE SW/S 3.0/4.0 METROS.
VALIDO ATE 240000 HMG.

AVISO NR 1187/2017
AVISO DE RESSACA
EMITIDO AS 1400 HMG-SEX, 20/OUT/2017
RESSACA ENTRE CHUÍ (RS) E FLORIANÓPOLIS (SC).
A PARTIR DE 221200 HMG.
ONDAS DE S/SE 2.5/3.0 METROS.
VALIDO ATE 240000 HMG.

Predições/Estimativas para semana:

Na ultima quinta-feira e sexta-feira (21/10), ocorreram temporais em grande parte do RS com vento forte de mais de 130 k/h no noroeste do Estado, além de chuva acumulada em torno de 100 mm nas últimas 24h, na região da campanha gaúcha;

Sábado, (21/10) – Intercalação de sol, calor e chance para temporais nas regiões Serrana e dos Lagos, associados às baixas pressões da Amazônia (ZCAS). Pouco efeito nas temperaturas;

Domingo, (22/10) – Frente-fria do ciclone extratropical com 989 hPa poderá causar ventos fortes na região costeira entre o Sul e Sudeste, com ressaca. Há chances para linhas de instabilidades (tempestades) entre SP, MG e RJ, assim como em regiões do sul do Estado, Costa Verde, Serrana e dos Lagos, que poderão ter grandes acumulados;

Segunda-feira, (23/10), a frente associada às baixas pressões entre a região Serrana, dos Lagos e parte do ES poderão causar transtornos às populações devido aos grandes volumes de chuvas acompanhadas de descargas elétricas, vendavais e queda de granizo associado ao calor e umidade;

Terça-feira, (24/10), a frente fria se afasta da costa mantendo as temperaturas amenas e risco para temporais devido ao canal de umidade, ZCAS (Zona de Convergência do Atlântico Sul) / ZCOU (Zona de Convergência de Umidade, sobre o Estado e parte do Sudeste de até 300 mm de chuvas em cinco (5) dias;

Quarta-feira, (25/10), o tempo permanece como o dia anterior e chuva moderada à forte de forma isolada com alguma intercalação de sol sobre a capital do RJ no período da tarde, talvez. ASAS (Alta Subtropical do Atlântico Sul) começa a se intensificar;

ATENÇÃO SUDESTE, PAÍSES VIZINHOS, CHUVAS INTENSAS

Nova rodada dos modelos GFS, BRAMS, CMC, indicam a intensificação de chuvas entre o Centro-Oeste e Sudeste devido ao resquício da ZCAS (Zona de Convergência do Atlântico Sul) associada ao centro de baixa pressão subtropical (hibrido), talvez. Quando avançar para o mar distante da costa, se tornará extratropical.

Quinta-feira, (26/10), nova área de baixa pressão (CAVADO) nos níveis médios da troposfera poderá provocar instabilidade entre o Paraguai, Sul do Brasil e parte do Sudeste (SP e MG), tempestades severas são possíveis de acontecer, acompanhadas de descargas elétricas, vendavais de 100 km/h e queda de granizo.

Modelos GFS indicam que o canal de umidade pode se fortalecer dando origem novamente a ZCAS (Zona de Convergência do Atlântico Sul) ou a ZCOU (Zona de Convergência de Umidade) e novos temporais serão possíveis;

Quinta e sexta-feira, (27/28/10), modelos GFS são unânimes quanto a origem de um centro ciclônico de características subtropicais (talvez) e nova área de baixa pressão (cavado) causará temporais muito fortes entre Paraguai, MS, SC, PR, SP, MG e Sul do Estado do RJ, acompanhados de chuva muito forte, descargas elétricas, vendavais de 100 km/h e queda de granizo. Nuvens convectivas do tipo (Cumulonimbus) poderão causar impactos sobre as regiões;

ATENÇÃO SUDESTE, BAIXAS PRESSÕES

O próximo final de semana, os modelos GFS, NAVAGEM, GEM indicam grandes volumes de chuvas associadas as baixas pressões que se intensificarão já no meio desta semana, (27/10), e contribuirão para acumulados expressivos e possíveis impactos as populações;

Sábado, (29/10), ZCAS (Zona de Convergência do Atlântico Sul) ou ZCOU (Zona de Convergência de Umidade) pode se intensificar associada a nova área de instabilidade sobre o país, devido ao (cavado) de média e alta troposfera com risco de grandes volumes de chuvas, acompanhadas de descargas elétricas, vendavais de 100 km/h e queda de granizo devido a formação de outro centro de baixa pressão (extratropical), talvez, muitas divergências dos modelos GFS, GEM, CMC;

Domingo, (30/10), linhas de instabilidades se intensificam entre o Sul e Sudeste alinhando com o interior do país e nova rodada dos modelos indicam a volta da ZCAS (Zona de Convergência do Atlântico Sul). Poderá causar chuvas intensas sobre estas regiões e possíveis impactos às populações;

Fonte de pesquisa: NOAA, GFS, GEM, NAVAGEM, CMC, INMET, INPE (BRAMS), Windyty e Marinha do Brasil.